Total de visualizações de página

Confira a hora certa!

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Rádiomania, o Livro/10

A DANÇA DAS CADEIRAS (A5)
Em 1991, a exemplo de outros profissionais, Jorge Luiz se desligava da Tupi. Fora trabalhar na Manchete, mas em 1993 estava de volta à emissora do bairro da Saúde. No primeiro semestre de 1995, quando respondia pelo horário de 9h ao meio-dia era desbancado, indo para a Tamoio.

Não se firmara ali também. E viveria uma espécie de odisseia. Tempo curto na Roquette Pinto, ainda menor na FM O Dia. Recorde negativo de apenas um mês registrado na passagem por uma emissora.

O grande sonho dele seria alcançado em fevereiro de 1997 – o seu ingresso na Globo, prefixo em que, durante um ano desempenharia a função de noticiarista nas madrugadas. A de comunicador, voltaria a exercer em fevereiro seguinte, compondo a equipe do “Comando Geral do Carnaval”.

(Antes de sua primeira atuação na Tupi, em que permanecera por maior período, ele estivera na Rádio Nacional conduzindo um programa de samba nas madrugadas. Passara, ainda, por emissoras de Niterói -- Federal e Fluminense.) Com o afastamento de Antônio Luiz (1947-2001) em agosto de 1998, Jorge era escalado para apresentar o “Bom Dia Globo”, de 3 às 6h.

Cumpriria o horário enquanto o titular se recuperava de um problema de saúde, o que durou um ano. Nas temporadas posteriores até 2008, alternaria a titularidade num semanal e a função de coringa. E somaria no seu currículo, uma extemporânea estadia pela MEC AM.

Jorge Luiz foi um dos primeiros entre os nomes de destaque a serem dispensados no ‘pacote de abril’ em 2016 na rádio da rua do Russel. Em queda de audiência e num constante mexe-remexe, a direção começava, naquele mês, descartar-se dos profissionais melhor remunerados.
_______
MEMÓRIA-1995
A global Xuxa iniciava na FM O Dia, em 20 de junho, um programa das 3h às 5h da tarde. Ao contrário da TV, no rádio não decolava. Em setembro saía do ar.

Dois anos depois de vender sua AM, o “Jornal do Brasil” sofria outra baixa no patrimônio. Negociava a FM 105 com o bispo Edir Macedo por cinco milhões.

Em julho, o jornalista e locutor Guilherme de Souza ingressava na Tupi, ao fim de duas décadas na rádio da Glória. Depois de um ano transferia-se para a MEC FM.

_______
Ouvindo as ondas

PELO SIM, PELO NÃO
Ao opinar sobre algum problema do Rio no quadro “A Crônica da Cidade”, este o bordão do Clóvis Monteiro, na Tupi. Ele ressalva que, ‘não é o dono da verdade’.

A MISSÃO DIFÍCIL
Nas manhãs há um mês, grade provisória na 'todo-poderosa'. Missão difícil para Ana Paula. Opções no horário: Clóvis, Boechat, Marcus Aurélio e Milton Jung.

SÓ DEU O MORAIS
Fábio Morais narrou na Brasil AM esta semana, jogos do Flamengo (Copa do Brasil), e Botafogo (Libertadores). Do Maurício Moreira e Odair Jr., não se sabe.

MANSUR, DA MATTA
O “Couvert Artístico” da JB FM (99,9), agora com Fernando Mansur, tem novo dia e horário – domingo, 8h da noite. Vanessa da Matta é o cartaz no dia 28.







quinta-feira, 25 de maio de 2017

Ouvindo as ondas

MÁGICA NO CONDOMÍNIO
Uma grande investida da Tupi a contratação do Antônio Carlos, de que a Globo se desvencilhou em abril. Também de lá, o Alexandre Ferreira. Estreiam dia 29.

Funcionários da emissora fizeram greve em novembro do ano passado por atraso no pagamento de salários. Dois movimentos de paralisações, de 24 e 78 horas.

Em dezembro, sem acordo com os representantes do condomínio, a rádio ficou no piloto automático um mês. Operações normalizadas no início de 2017.

Alguns não retornaram. Um grupo recorreu à Justiça, outro enrolava um novo pacote de demissões. Fortes rumores de falência. A emissora seria vendida.

Maurício Dinep abandonara a direção, depois que os seus imediatos Alfredo Raimundo e Ricardo Henriques tinham saído. Josemar Gimenez assumia.

Como num passe de magia, a nave à beira do naufrágio, ressurge fagueira para o seu público, reunindo valores conhecidos, repórteres e comunicadores.

Wellington Campos, Sérgio Guimarães, Cyro Neves, o ex-governador Anthony Garotinho, e o Francisco Barbosa (dispensado em julho) integram os quadros.

Em tempos de crise econômica por todos os ramos, veículos de comunicação, principalmente, eis que aparece uma alma salvadora. Um mágico na rádio.

_______
MÚSICO MAIOR
Terça (23), véspera de show do Maurício Einhorn, 85, na Sala Baden Powell, em Copa. Entrevistado por Thiago Alves, no “Armazém Cultural”, na MEC AM.

Einhorn, que alcançou o estrelato no tempo da bossa nova, é um dos maiores em seu instrumento (gaita). Aprendeu a tocar com os pais, aos cinco anos -- disse.

O ‘MICRÓBIO’
A Nacional não para no mexe-remexe na sua programação. Parece ter pego o ‘micróbio’ de determinada emissora instalada na Rua do Russel, Glória.

Mudou pela terceira vez o horário do “Rádio Memória”, aos domingos, com o Gerdal dos Santos. Agora é às 10h da noite. Já foi de manhã (8h) e tarde (1h).

DO ARQUIVO
Na mesma (e tradicionalíssima estação), desencavaram programas da época de ouro. Um deles, às 23h, é o “Teatro de Mistério, de Hélio do Soveral (1918-2001.)

Ele foi o mais longevo produtor do então famoso César de Alencar (1917-1990) que Mister Eco, um cronista da ocasião, chamava-o de ‘êmulo dos microfones’.

OS BARRADOS
O Flamengo enfrentou o Atlético Goianiense pelas oitavas da Copa do Brasil no Serra Dourada, nesta quarta (24). Nem o Luiz Penido, tampouco o Edson Mauro.

Narrador escalado, Alex Escobar, da TV. Se algum distraído torcedor ainda não sabia, passou a perceber. Explica-se a razão do slogan “Futebol Globo no rádio”.

HORAFINAL.COM
A Alpha FM de São Paulo iniciou na segunda (22) suas atividades no Rio na freqüência de 94,9 que, por quase uma década esteve com a Bandnews. Promete ser 100% regional. Em princípio, terá músicas para o adulto contemporâneo.



quinta-feira, 18 de maio de 2017

Ouvindo as ondas

A NOVA GRADE DA TUPI
Através do “Giro Esportivo”, o apresentador Wagner Menezes anunciou na terça-feira (16), com toques de suspense, a nova grade da Tupi, que estreia no dia 29.

As modificações têm por base a contratação do Antônio Carlos, que no fim de abril, foi dispensado pela ‘outra’, logo depois de completar 30 anos de atividades.

Wagner armou uma expectativa para o ouvinte do “Giro”, revelando detalhes na reta final do programa. Entusiasmado, declarou: “O que era bom, ficou melhor”(*).

Das 4 às 6h, Mário Belisário; daí às 8h, Antônio Carlos; das 8 às 9h30, Clóvis Monteiro; daí às 11h, Anthony Garotinho; e, das 11 às 12h, Francisco Barbosa.

A nova grade terá, ainda, o Alexandre Ferreira, à meia noite, e o Garcia Duarte, a partir das 2h – assegurava o Belisário na manhã seguinte, no programa do Clóvis.

(*)Melhor nada, moço, com todo respeito. Reduzir pela metade o espaço de um, e reservar a outro a migalha de uma hora, é distribuir muito mal esse latifúndio.

_______
MAIS TARDE
Adiada de 15 deste mês para 5 de junho, o lançamento da “Nova Globo”. Depois de Otaviano Costa, fecharam com a casa, Adriana Galisteu e o Tiago Abravanel.

_______
COM O BOSCO
O programa ”Roda de Samba”, da Nacional, focalizou no sábado (13), João Bosco, nascido em Ponte Nova-MG, que queria ser um engenheiro civil.

Estilo próprio de compor e cantar, ele consolidou a sua obra na música, tendo um repertório de aproximadamente 280.Fez 70 anos em 2016, e 45 de carreira.

“Roda de Samba”, com Fátima de Mello às 7h da noite, tem produção de Fábio Tortorelli – textos primorosos, diga-se – destinado a ouvintes de gosto apurado.

_______
ALPHA JÁ VEM
A Bandnews (desde fevereiro em 90,3 que era da MPB) deixa, na próxima semana, de operar em dupla freqüência. Alpha chegando ao Rio em 94,9.
_______
HORAFINAL.COM
Pioneiro dos ‘Amarelinhos’, Gelcio Cunha foi reprovado como apresentador. Analista de notícias, 36 anos de serviços, demitido pela ‘poderosa’, que em tempo remoto descartara-se do Áureo Ameno. Tinha 42 anos na casa, e se elegera vereador. Duas, dentre as vítimas do capitalismo selvagem.




quinta-feira, 11 de maio de 2017

Radiomania, o Livro/9

A DANÇA DAS CADEIRAS (A4)
Na década de 70 Fernando Sérgio era locutor do SGR, começando a se destacar na Mundial. Em 1980 deixava a casa e, durante dez anos, tal qual andarilho, passaria por vários prefixos. Esteve na Bandeirantes e, por duas vezes, alternadamente, na Tamoio e na Manchete.

Data desse período conflitante passagem pela Tupi -- gestão do Péricles Leal. Contratado para um programa no fim de tarde, atuaria apenas duas semanas. Em 1990, após cumprir outro ciclo na Tamoio, substituía Roberto Figueiredo (na Tupi), de manhã. Um ano depois, indicado para a vaga de Cidinha Campos, que saíra brigada com o Alfredo Raimundo.

A troca provocaria resultado muito abaixo das expectativas. Ao fim de nove meses, a rádio mergulhava em queda livre, e o Fernando Sérgio foi parar no interior do estado, numa emissora de Angra dos Reis. De volta ao Rio, reingressava no SGR, onde ficaria de junho de 1995 a fevereiro do ano seguinte, como coringa. Cederia o posto ao Francisco Carioca (1940-2009).

No apagar das luzes de 1997, os ventos sopravam a seu favor. De novo na Tupi, em situação diferente, a primeira atuação foi cobrir as mini-férias de Cidinha, seguindo a de outros. Na vez da do Francisco de Assis, então titular de “A Tarde é Nossa”, ganharia o horário. Era abril de 1998.

Em fevereiro de 1999 a Tupi tirava o programa do ar. Luiz de França de Washington Rodrigues, ex-globais, ocupavam o espaço. O emprego do Fernando Sérgio era preservado. Coringa outra vez. Como consolo, recebia a missão de fazer a madrugada de domingos, das 3h às 6h.

Titularidade pra valer, só teria a partir da morte do Collid Filho, em agosto de 2004. A rádio dera preferência ao David Rangel para o lugar daquele que anunciavam como o “Dono da Noite”. Entretanto, David aceitara uma proposta da Globo. A opção da casa foi efetivar o Fernando Sérgio.
_______
MEMÓRIA-1995
Robson Alencar (ex-Mundial), com passagens pelas FMs 105 e O Dia, estreava na Tupi AM em fevereiro. Encarregado de gravar as vinhetas e chamadas, também apresentava um programa nas madrugadas de domingo. Logo optaria pelo FM da empresa.

O mês de maio marcava uma pretensa revolução no Rio, em termos de AM. Assim o imaginavam os executivos da Tupi, que contratavam a peso de ouro, Mário Luiz Barbato, responsável pela estruturação do Sistema Globo de Rádio. Mário só resistiria um ano e meio no Condomínio.
_______
Ouvindo as ondas

RIBEIRO PEDE DEMISSÃO
O jornalista e comunicador Luiz Ribeiro desligou-se da Tupi na sexta-feira (5). Vai coordenar a implantação de um projeto de TV e rádio em Foz do Iguaçu, Paraná.

Escalados para responderem por seus horários, Cristiano Santos, com o “Boa Noite Rio”, e o Gilson Ricardo, promovido a novo titular do “Bola em Jogo”.

Luiz Ribeiro comandava programa próprio há 16 anos. Entrara no lugar do Roberto Figueiredo, que fazia, nas noites sem futebol, o “Show do Rio”, das 8 às 10h.

Antes, assumira o “Giro Esportivo” e “Bola na Mesa” (que com ele virou “Bola em Jogo”), quando Marcus Aurélio, o apresentador, transferiu-se para a Rádio CBN.

Ribeiro foi, por pouco tempo, comentarista na equipe do Luiz Penido, segundo na hierarquia. Era chamado nas jornadas do prefixo, como ‘o da opinião definitiva’.

_______
OUTRA DE CIMA
Aumentou, recentemente, o número de rádios na cobertura do trânsito via aérea. A Bandnews é a sexta no Rio, com Luiza Ramos e Marcela Lemos, ex-SGR.

GAMES DA MODA
“Cartola FC” é uma nova aposta a 1h da tarde dos sábados na Globo. Aborda as competições do denominado fantasy games. Tem apresentação do Hugo Lago.

PARA BOLEIROS
Lançado no mesmo dia (6), o “Playlist do Boleiro”, com Rafael Marques. Uma figura do esporte 'mostra' suas preferências musicais. Dé Aranha,o primeiro..

_______
HORAFINAL.COM
Embora não tenha assinado contrato ainda, Antônio Carlos já acertou com a Tupi. Sua volta, trinta anos depois, será a partir dos últimos dias deste mês, das 7 às 9h. Terá a participação de Washington Rodrigues, com quem trabalhou na ‘outra’.




quinta-feira, 4 de maio de 2017

Rádiomania, o Livro/8

A DANÇA DAS CADEIRAS (A3)
Um dos baluartes da revolucionária Cidade FM, Fernando Mansur deixaria, em letras douradas, seu nome gravado naquela modalidade de rádio. A Cidade, surgida no final dos anos 70 marcou uma época, muito influenciando as emissoras do segmento. Enquanto durou, era um sucesso retumbante, verdadeira coqueluche.

Como nem tudo é eterno, um dia a concorrência superou a linha adotada pelo novo prefixo. Quem brilhava na Cidade – e Mansur não foi exceção --, seguiu outros rumos. Na década de 80, ei-lo na FM 105, fixando-se posteriormente na Rádio JB AM.

Em 1991, depois de uma rápida passagem pela Tupi (AM), Fernando instalava-se na Rádio Nacional, aos sábados. Tinha tudo para dar certo, mas ficou somente um ano. Mansur tocaria sua carreira em outro endereço, desta vez a Roquette Pinto, onde também não esquentaria lugar.

O Grupo Bandeirantes comprara os 90,3 da MPB, até 2012 pertencente a Ariane de Carvalho, de “O Dia”. Fechou a rádio em 1° de janeiro último, utilizando a frequência na Bandnews que, provisoriamente, passou a operar em duas faixas. Da MPB, todos foram dispensados.
_______
MEMÓRIA-1994
Em dezembro, Sidney Rezende da CBN, trocava o Rio por Brasília. Estabelecia-se no Planalto, com o “Show de Notícias”, de 13h às 16h.

E, naquele mês, Clóvis Monteiro ganhava titularidade na Globo, cabendo a ele a apresentação do “Parada Popular”(diário) e “A Grande Parada” (semanal). Substituíra o Sílvio Samper, que recebera ‘bilhete azul’.
_______
Ouvindo as ondas

A GLÓRIA EM TRANSIÇÃO
Com a saída do Antônio Carlos, e o temporário afastamento do Roberto Canázio, a rádio dos Marinho colocou no ar em 1° de maio, programas transitórios.

“Se liga Brasil”, com Ana Paula -- titular de um vespertino a partir de abril de 2016 --, e um desfigurado “Manhã da...”, que foi entregue ao David Rangel.

No leque de despedidas, também o “Samba de Primeira”, do Jorge Perlingeiro (durou um ano meio) e o “Farofa...”, com o David desde março de 2013.

A nova grade da rádio, cercada de grande expectativa, será lançada na segunda-feira (15). Vem aí – anunciam – uma rádio leve, dinâmica e contemporânea.
_______
NO COMPACTO
Fernando Mansur está de volta à JB FM depois de 18 anos. Um compacto diário do “Couvert Artístico” e apresentação mensal – algumas de suas atribuições.

NAS ARTES
Nas modificações da grade da MEC AM, o “Arte Clube”, com Jansen Campos e Felipe Rangel, passou a ser levado ao meio-dia. Era às 6h das tardes.

ESCANINHOS
Adriana Ribeiro conduz nas quintas-feiras, às 11 da noite, o “Memória da MEC”. Reporta-se ao valioso arquivo sonoro da mais antiga emissora pública do país.






sexta-feira, 28 de abril de 2017

Ouvindo as ondas

DESPEDIDA DE ANTÔNIO CARLOS
Trinta anos depois de atuar na Globo (estreara em janeiro de 1987), o comunicador Antônio Carlos se despediu da emissora nesta sexta-feira (28). O show que leva o nome do locutor – 80 de idade --, existe há 40 anos, sendo os dez primeiros na Tupi, que o lançou na década de 70.

Antônio Carlos começou carreira nas rádios Metropolitana e Continental, da Organização Rubem Berardo. Fazia um musical de madrugada naquela, e foi repórter nos famosos “Comandos” do Carlos Pallut, que revelaria muitos profissionais, alguns, como ele, ainda em plena atividade.

Aldenora Santos, ‘A Pudica”, foi sua mais antiga colaboradora. Formava dupla com o Carlos Hamilton no surgimento do programa. Na ‘época de ouro’, Antônio Carlos passou rapidamente pela Nacional. E, paralelamente ao rádio, integrou a equipe de produção do Sílvio Santos na TV Tupi.

A decisão do SGR de renovar a plástica do veículo, tira do ar um dos maiores líderes de audiência em todos os tempos. No conceito dos cardeais, os quadros populares envelheceram. Coisas do tipo Zora Yonara, Juçara Carioca e etc., perderam o sentido. O mercado exige mudanças.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Radiomania, o Livro/7

A DANÇA DAS CADEIRAS (A2)
O fechamento da Mundial deixou um grupo profissionais ao desemprego. Um deles Elói de Carlo. Com trânsito pelas agências e publicidade, ele se dedicaria, durante certo tempo, somente às gravações de comerciais, até ser contratado pela Rede Manchete de Televisão. Voltaria ao rádio em 1996 no FM da empresa.

Em junho de 1977, mudava-se para a FM O Dia, onde teria passagem meteórica, ali ficando menos de seis meses . (Em dois anos no ar, a FM O Dia mexera na sua programação nada menos que cinco vezes.)

Tão logo assinava o distrato com a emergente estação, Elói se transferia para a JB. Também não ficaria muito tempo. No primeiro trimestre de 1999, ingressava de novo no Sistema Globo de Rádio. Sairia ao fim de dois anos, passando a ministrar aulas de locução para estudantes universitários e outros interessados.

_______
MEMÓRIA-1994
Em junho, Clóvis Monteiro (ex-Tupi) assinava com o SGR. Atuara como noticiarista da principal emissora, comunicador folguista daquela e da 98 FM.

A casa contrataria também no mesmo período, os locutores Márcio Seixas e Sérgio Junqueira, além do repórter Genilson Araújo, especialista em cobertura do trânsito via-helicóptero, todos desempregados com o fechamento da JB AM.

O quadro de comunicadores da Tupi sofria baixa. Marne Barcellos cedia o posto ao Jorge Luiz e, no deste, entrava Gilberto Lissieux, sem sair da Nacional.

_______
Ouvindo as ondas

OS CHOROS DO PIXINGA
Comemora-se neste domingo (23), o Dia Nacional do Choro. No Rio, por exemplo, uma série de atividades lembra um de seus maiores símbolos, Alfredo da Rocha Viana Filho, o Pixinguinha (1897-1973).

Instrumentista e arranjador, autor de vasto repertório, sendo “Carinhoso” sua obra mais conhecida, era enaltecido por companheiros de classe e críticos especializados.

Na data – revelava a repórter Lígia Souto esta manhã – celebra-se também o centenário de Severino Araújo, fundador da Orquestra Tabajara, outra figura importante do gênero.

QUADRO NOVO
“Temas da MPB” é o novo quadro no programa “Todas as vozes”, na MEC AM. Produção de Cacá Santiago, um dos novos coordenadores da casa.

Dele ainda, , na grade recentemente modificada , desfilam nas sextas-feiras, às 17h, “Clássicos com arte”. Reúne as mais expressivas canções do país.

PELAS TRILHAS
Naquele horário, aos sábados, Isabela Azevedo apresenta na MEC AM, “Trilhas da história”. É reprisado aos domingos, às 8h da manhã pela Nacional.

No lugar, anteriormente, estava “Onde canta o sabiá”, com o venerando Gerdal do Santos, que passou para às 2h da tarde.

ALTERAÇÕES
Uma das emissoras alternativas no esporte, a Transamérica alterou, há pouco mais de um mês os horários de suas atrações – matinal e vespertina.

“Galera show” de 7h para o meio-dia, “Arena Transamérica” de 17h para às 22h. Bruno Azevedo e Bruno Cantarelli, os respectivos apresentadores.


sexta-feira, 7 de abril de 2017

Radiomania, o Livro/6

A DANÇA DAS CADEIRAS (A1)
Revelado pelo Sistema Globo de Rádio na década de 70, Alberto Brizola se projetaria na Mundial, nela atuando por quase 20 anos. Com o prestígio conquistado na carreira, se elegeria deputado estadual , renovando essa condição por três legislaturas. Pode cumprir o primeiro mandato paralelamente às atividades no rádio.

Em novembro de 1992, com informações privilegiadas, ele trocava a Mundial pela FM 105. Dois meses depois , no início de 1993, o SGR desativava a rádio, que era a terceira no Ibope, atrás da Globo e Tupi. Não se criaria naquela, afastando-se em seis meses.

Durante dois anos ficaria ausente do meio, quando se dedicaria a um programa semanal na TV Corcovado, mas tarde CNT. Em outubro de 1995, reaparecia através da Manchete AM e, em breve optaria pela evangéica EL Shaddai, de Arolde de Oliveira.

Na rádio do sogro permaneceria até 2005.No ano seguinte, de mala e cuia, mudava-se para a Roquette Pinto, apresentando um programa vespertino. Sobrava em 2007, com a chegada de Artur da Távola (1936-2008) o novo diretor da emissora.

Tal qual peregrino, incluía outras rádios no seu currículo. Depois da Roquette, a Continental AM, em 2013 passaria uma temporada na Sucesso , após acumular as funções de comunicador e diretor da Família FM (104,5). Ultimamente estava em Cabo Frio, Região dos Lagos, atuando na Litoral FM ( 94,5.)
_______
MEMÓRIA-1993
Em abril, a Opus 90 FM, arrendada ao Sistema JB, trocava de mãos, surgindo a FM O Dia. De nada adiantariam os protestos da audiência qualificada.

O DJ Marlboro, impulsionado pelo modismo do funk, fazia estrondoso sucesso na FM 105, em horário vespertino. Em meados do ano transferia-se para a RPC. /o/ A comunicadora Adriano Riemer reiniciava sua atividades no Rio, depois de dois anos nos EUA. Em dezembro retomava seu espaço na Cidade FM.
_______
Ouvindo as ondas

NA VIRADA DO JOGO
Um dos penúltimos a sair da Bradesco Esporte no piscar das luzes, (o apagão ocorreu mês passado) Sérgio Guimarães, correspondente da Gaúcha, no Rio, acertou com a Tupi. Responde pelo plantão de jornalismo nas tardes, incluindo o “Show do Apolinho”, atividade que vinha sendo exercida pelo Ricardo Moreira.

Desfalcada depois de uma greve histórica por falta de pagamento, a Tupi contratou quatro profissionais no limiar deste ano – Wellington Campos, Anthony Garotinho, Cyro Neves e, agora, o Sérgio Guimarães. No intervalo, promoveu a volta do Francisco Barbosa, que integrava o lote dos dispensados em julho.




sexta-feira, 31 de março de 2017

Girando com as ondas (025)

FUGA DAS ÁGUAS TURVAS
Uma das melhores coisas que inegavelmente se ouve no rádio nos dias atuais é o matinal “Todas as vozes”, do Marcus Aurélio na MEC AM, de 7h às 10h. São destaques entre as sessões,“O rádio faz história” e “Essa letra, essa música”, produzido por Marcos Rangel, um dos três xarás da audição -- Leite é o outro.

.o. Este divide com o apresentador a produção geral do programa, onde se preconiza ‘a intolerância zero’, simbolizando numa emissora pública a fuga da mesmice predominante nas chamadas rádios particulares. Dentre as boas atuações no ramo, ressalte-se o Ricardo Boechat na Bandnews, entrave da CBN, transformado numa insuperável 'dor de cabeça' para os gestores.

A 'RAPOSA' É SÁBIA
o. Por isto e por aquilo, segundo velha raposa ao se referir a temas diversos, os cardeais da Glória estão propensos a mudar a plástica da emissora-matriz do SGR. Resolveram apostar num público jovem, e conquistar ouvintes mais esclarecidos, certos de que o ‘dinossauro eletrônico” carece de uma reinvenção.

o. No que teriam eles se inspirado em suas pesquisas? No esquema da Jovem Pan, em São Paulo, ou no da Itatiaia, de Belo Horizonte, em Minas? As donas de casa e os idosos inabilitados a lidarem com as novas plataformas – aplicativos de celulares, smartphones e tablets ficam de fora? Deixaram de somar os índices de audiência eternamente almejados pela autonomia dos executivos?

HAJA INSPIRAÇÃO
.o. Mudança de hábitos, entretanto, não se faz da noite para o dia. Não é necessário conhecimentos de filosofia e comportamento humano para se saber desta assertiva. Alguma coisa, todavia, tem que ser feita, experimentada no veículo. A permanecer o ramerrão da conformidade (e acomodaação de muitos) que se observa, a tendência será todos navegarem em águas turvas indefinidas.

.o. Com a iniciativa que se anuncia, só resta aos indefectíveis amantes desse nosso amor antigo, torcerem que a ‘revolução’ seja coroada de pleno êxito. Afinal – e a história se repete ao longo dos tempos -- é muito comum no meio, uns e outros imitarem (ou copiarem) tudo aquilo que surge caracterizado como novidade. Parece que na comunicação, criar representa intransponível barreira.
_______
INTERLIGADAS
.o. Prestação de serviços o rádio contemporâneo faz diariamente, baseado na situação do trânsito nas capitais e regiões próximas. Inclui as condições das estradas, túneis e viadutos, ferrovias, aeroportos, além da previsão do tempo.
_______
.o. Listas de aniversariantes, horóscopo e dedicatória musical, há muito perderam o sentido, tão ultrapassadas como o ato de andar pra frente. A ultima não tem espaço nos alto-falantes das cidades do interior e nem nos parques de diversão.
_______
Saudosismo, um caso especial. Sejamos realistas. "(...) Mas hoje em dia eu não tenho mais, a alegria de tempos atrás". (De Manassés, poeta e sambista). Cantada por alguns ouvintes de bom gosto sintonizando determinados programas.
_______
HORAFINAL.COM
Repórter e mais longevo coringa da Tupi, Cristiano Santos vai, a partir de segunda-feira agora, comandar o "Super madrugada", de meia-noite às 3h. Desde a saída do Fernando Sérgio, o horário estava sem titular, com o Garcia Duarte.




sexta-feira, 17 de março de 2017

Girando com as ondas (024)

AS NOTÍCIAS FORA DO AR
Matéria-prima na mídia eletrônica, existe um tipo de notícia que nunca vai para o ar – a menos que seja em casos extras, especialíssimos . No rádio, os mais atentos já observaram tratar-se do fechamento de alguma concorrente. É provável que isso se dê por mera questão corporativista. Nenhum mistério, pois.

.o. Encerraram suas atividades no Rio ultimamente, cinco FMs e uma AM. A Bradesco Esportes este mês e a MPB em janeiro. Ano passado em julho a Cidade. Em 2015, Nativa e Manchete, respectivamente em dezembro e novembro. A Beat98 em outubro de 2014. Redundante dizer que a crise é grave.

.o. A Bradesco Esportes foi ao ar pela primeira vez em maio de 2012. Sua equipe era liderda por José Carlos Araújo, o Garotinho, que aceitara o desafio de tocar um projeto aparentemente inovador. (Em São Paulo, a Gazeta já havia experimentado o esquema e, em pouco tempo, decidia deixá-lo à margem).

O BARQUINHO
.o. O ‘Fenômeno da narração esportiva’, como os áulicos o chamam, cercou-se de amigos e companheiros dissidentes da Globo para ‘pilotar o barquinho’. Um ano e meio depois, a ‘navegação’ começava a fazer água. Esperto tal qual um dileto seguidor, Garotinho foi para outro prefixo. Estacionou na Transamérica.

.o. Nela ficou por tempo limitado. Acredita-se que a Tupi estava em sua meta, embora não tenha respondido ao primeiro aceno. Acabou acertando ir para lá, na condição de pessoa jurídica. Com ele, Gérson (Canhotinha) e Gilson (Ricardo), novos componentes da autodenominada ‘seleção brasileira do rádio’.

.o. Houve, naquela ocasião, uma troca de endereços. Enquanto Garotinho ia para a Transamérica, Edilson Silva, que lá estava, ‘se mandava’ para a Bradesco, com Ronaldo Castro a tiracolo. Alguns profissionais da equipe anterior eram aproveitados, outros, nem pensar. Aos poucos, só os aliados ao novo chefe.

VIROU MANIA
.o. A Cidade, revolucionária do segmento nos anos 70 (foi fundada em 1977), teve seus momentos mágicos reunindo o que viria a se chamar comunicadores. A linguagem coloquial influenciava as concorrentes. Destacavam-se, entre eles, o Eládio Sandoval, Fernando Mansur, o Romílson Luís e Ivan Romero.

.o. Integrante do Sistema Rio de Janeiro, fusão do JB com O Dia, a JB AM tornou-se Brasil, da LBV, 105 FM, comprada pela Igreja Universal, rebatizada de Aleluia e Opus 90 (90, 3) nominada O Dia, depois Nova e, logo MPB. Aquela se transferia para os 100,5 (da RPC), do Paulo César Ferreira.

.o. Os sinais da crise sacudiam a estrutura do ‘elefante branco’ que o JB construíra na subida (ou descida) da Ponte Rio-Niterói. A Cidade foi arrendada pela OI e, posteriormente pela Jovem Pan 2. Devolvida em março de 2014, não seria mais a mesma. O Grupo Universo pegou, transformando-a em Mania.

(I)NATIVIDADE
.o. A Tupi FM (96,5) criada em 1974 adotava uma linha clássica de programação. Popularizou-se em 1996 lançando o slogan ‘O amor do Rio’, que deu origem a Nativa, a partir de agosto de 2000. Com a unificação do AM e FM dos Associados, essa passaria para os 103,7 da Antena 1, arrendada.

.o. Em seu quadro de comunicadores pontilhavam o Fernando Borges, Charles Uchoa, Maurício Berg e Zé Costa, sobressaindo-se como especiais, “As canções que você fez pra mim”, com Dudu Braga, o Segundinho, e “Tudo a Veras”, com Marcos Veras, o primeiro diário, o outro semanal. O contrato foi cancelado.

SEM MENTIRAS
o. Nascida da ‘costela’ da Federal de Niterói, a Manchete AM 760 foi incorporada por Adolpho Bloch, de Bloch Editores, e revista homônima. O grupo entrou em falência duas vezes, em 2000 e 2002. Pendências na Justiça deixaram-na fora do dial longo tempo. Em 2006, controlada por Miguel Nasseh.

.o. Passaram por ela em fases distintas, Roberto Canázio, Alexandre Ferreira e Cirilo Reis; Cidinha Campos, Wagner Montes e Mário Esteves; Luiz de França, David Rangel e Sílvio Samper. No esporte, João Guilherme, Daniel Pereira, Fábio Tubino, André Ribeiro e Antônio Jorge. “Rádio de verdade”, seu slogan.

GERÊNCIA PLUFT
.o. Terceira modificação da Eldorado FM, a Beat98 começou a funcionar em 2008. Seu título anterior (apenas 98, da freqüência) era utilizado desde 1978, quando substituíra a denominação Eldopop, que fora iniciada em 1973. Comunicadores mais prestigiados na Beat98: Tino Júnior e Van Damme.

.o. Pela antecessora (98 FM), assinalaram seu nome na história do segmento, o Robson Castro, com o “Good times”, e o Fernando Borges, que o sucedeu. Entre os menos conhecidos, trabalharam na emissora, Regina Célia, Luciano Reis, Carlos Augusto, Fernando Barros e Ivone Biotti. A rádio ‘era só sucesso’.
_______
I N T E R L I G A D A S
Oito meses depois de ser incluído num ‘pacote’ de demissões da Tupi, Francisco Barbosa foi recontratado. Sua restreia ocorreu nesta segunda-feira (13).
_______
Antecedendo ao Barbosa, das 9h às 10h, uma novidade para o ouvinte da estação do Condomínio. A volta do ex-governador Anthony Garotinho.
_______
A EBC está ‘inovando’ a grade de programação de suas emissoras. Alguns cartazes da Nacional e TV Brasil têm, agora, apresentações simultâneas.
_______
Uma – lançamento recente – é “Corredores do poder”, com Rosean Kennedy, às 18h30. Outra. “Samba da Gamboa”, com Diogo Nogueira, aos sábados.
_______
HORAFINAL.COM
Eram do Grupo Bandeirantes a Bradesco e a MPB FM, recém-fechadas. Edilson Silva comandava a primeira. Na gestão dele também quebrou, em setembro de 2006, a equipe esportiva da Bandeirantes AM 1360, após a Copa na Alemanha.



quinta-feira, 2 de março de 2017

Girando com as ondas (023)

DEU PORTELA. 33 COM 22
A Portela e sua comunidade ganharam, no aniversário do Rio, nesta quarta-feira (1°), um cobiçado presente – o título de campeã do Grupo Especial.

.o. Foi, 33 anos depois, o 22° conquistado, com o enredo “Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse Rio passar”, do carnavalesco Paulo Barros.

.o. Um décimo de diferença separou a campeã da Mocidade (2ª colocada), que se apresentou na avenida com “As mil e uma noites pra lá de Marrakesh”.

_______
DECISÃO
.o. O Flamengo vai decidir com o Fluminense, no domingo (5), a Taça Guanabara, depois de vencer o Vasco, no sábado (25) de carnaval , em Volta Redonda.

AUSÊNCIA
.o. As principais emissoras de rádio do Rio mandaram equipes ao Estádio da Cidadania – a Tupi, Globo-CBN e Nacional. A Bradesco Esportes FM, não.

APOLINHO
.o. Gilson Ricardo assumiu por uma semana, a partir de segunda-feira (27), o “Show do Apolinho”. O titular aproveitou os dias de carnaval para descansar.

NÃO ACABA
.o. No “Brasil que não acaba mais”, a Bandnews transmitiu domingo (26), um especial sobre marchinhas de carnaval, agora proibidas de serem tocadas.

NOVA FRENTE
.o. A exemplo do que tem ocorrido com o futebol, o SGR uniu a matriz e a CBN, na cobertura dos desfiles da Sapucaí. Condução por conta do Frederico Goulart.

PELA 1ª VEZ
.o. Craques do samba, Adelzon Alves e Miro Ribeiro atuaram juntos pela primeira vez na avenida. A Nacional e MEC AM formaram parceria com a Roquette FM.

COMANDO I
.o. David Rangel (Globo), Fernando Molica (CBN), Luiz Ribeiro (Tupi), Luciana Valle e Rubem Confette (Nacional) comandaram as apurações no Sambódromo.

COMANDO II
.o. Equipe da Roquette liderada por Miguel Ângelo também acompanhou a marcha da contagem. Em 2018 desfilarão 13 escolas. Nenhuma desce este ano.

_______
INTERLIGADAS
.o. O “Musishow” do Cirilo Reis na Rádio Nacional, passa a ser diário, de 10h à meia-noite, a partir de segunda-feira (6). Era nos sábados às 7h, sem o futebol.

.o. Desativada para abrigar a Bandnews, a MPB (90,3) poderá ressurgir em outro prefixo. Arianne Carvalho, detentora da marca, apenas vendeu a concessão.

_______
HORAFINAL.COM
.o. “Rádio não toca samba. (...) Não há mais discos”, lamentou-se Beth Carvalho numa entrevista à “Folha de S.Paulo”. Menos Beth, menos. A Nacional e MEC AM dão espaços generosos ao ritmo. A MPB FM há pouco extinta, divulgava-o.


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Girando com as ondas (022)

CRISE DERRUBA MAIS DOIS
Menos de uma semana depois de interromper a greve que durou mais de um mês, a Tupi demitiu, na sexta-feira (10), Haroldo de Andrade. E, no espaço de quatro dias, ou seja, terça-feira (14), dispensava o Fernando Sérgio. Com isso, o ‘pacote de julho’ aumentou o volume de ex-empregados, cerca de vinte profissionais.

.o. No lugar do primeiro, foi efetivado o Cristiano Santos, repórter e coringa. Garcia Duarte, co-apresentador da “Patrulha da cidade”, escolhido para responder pela vaga do outro. Fernando estava na casa desde 1997. Há 13 anos fazia o “Super madrugada”, horário em que, por muito tempo, atuara Collid Filho (1926-2004).

.o. Originário do SGR, Haroldo de Andrade ganhou status de estrela na Tupi, durante a gestão de Mário Luiz, entre 1989 e l991. Estivera numa emissora de Macaé e Carioca do Rio e retornara à empresa da Rua do Russel. De novo na Tupi em 2008, pilotava um programa semanal. Era promovido a diário em 20l4, após as eleições.

O CORINGA SUMIU
.o. Toda rádio que se preza, seja de variedades, jornalismo ou música, tem um coringa fixo – também chamado de folguista. (Houve um tempo que as rádios mantinham dois, reservados para períodos distintos). A Globo, todo-poderosa no Rio, aboliu o esquema.

.o. Nos impedimentos dos titulares, lança mão de alguém disponível. Quando se trata do Antônio Carlos e do Roberto Canázio, hoje os mais importantes apresentadores do quadro, cabe ao David Rangel substituí-los, investido como um coringa de luxo.

.o. Mas, faltou coringa nas férias dele. Em três semanas, a alternativa para suprir sua ausência, foi tirar da grade, no domingo, o “Farofa...” O espaço (de 10h ao meio-dia) ficou entregue ao “Globo na rede”, com a Vanessa Di Sevo, da afiliada paulista.
_______
I N T E R L I G A D A S
.o. Chamava-se “Super manhã Tupi” o horário do Haroldo de Andrade em sua primeira passagem pelo prefixo, na Saúde. Com a nova saída e evidente troca de comando, o nome foi retirado do arquivo.
_______
.o. Dois anos antes de ir para a madrugada, Fernando Sérgio conduzia “A tarde é nossa”, das 3h às 7h(*). Cederia o posto a dois globais destituídos -- nada menos que Washington Rodrigues e Luiz de França.
_______
.o. Neise Marçal e Amauri Santos estão de volta às rádios da EBC. Ela (pela Nacional) coordena uma série sobre carnaval no programa noturno da Gláucia Araújo. Ele (pela MEC AM) exerce cargo de direção.

.o. No regresso ao batente, depois da entressafra no futebol, Luiz Penido deixava de ser apresentador do “Globo esportivo”. Repetição do “Enquanto a bola não rola”, do qual Eraldo Leite perdera o comando.
_______
.o. Os cardeais do SGR decidiram utilizar nomes da televisão nas transmissões esportivas. Para justificar, mudaram o slogan para “Futebol Globo no rádio”. O “Seleção Rádio Globo-CBN” jogado a escanteio.
_______
(*) Naquela ocasião, Fernando, que substituíra o Francisco de Assis, dividia o horário vespertino com o Pedro Augusto, três horas cada um. Com a chegada dos novos contratados (da 'outra'), o triunvirato que se formara passou a ter programas de duas horas -- entre 1h e 7h, claro.
_______
MEMÓRIA VIVA
.o. Artista de múltiplas atividades, Ary Barroso morreu, aos 61 anos, no carnaval de 1964, quando a Império Serrano desfilava. O samba-enredo da agremiação, “Aquarela brasileira”, de Silas de Oliveira, fora feito para homenagear o compositor, exaltação à sua mais representativa obra, a internacionalmente conhecida “Aquarela do Brasil”.
.o. Ele popularizou na Tupi o “Calouros em desfile”, que surgira na Cruzeiro do Sul, antes apresentado por Paulo Roberto e Edmundo Maia. Parceiro do Ary em musicais do teatro, Paulo (1903-1973) indicou-o para ser locutor esportivo daquela emissora, às vésperas do Fla-Flu de 1936. O titular Afonso Scala baixara hospital por ocasião da partida.

HORAFINAL.COM
.o. Um ditado antigo afirma: “Onde há fumaça, há fogo”. Com o anunciado fechamento da Bradesco Esportes em SP mês que vem, periga o futuro do seu núcleo no Rio, transformado recentemente em abrigo para valorosos profissionais que a crise econômica atingiu.




quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Girando com as ondas (021)

GREVE ACABA. ATRASOS NÃO
Ao fim de uma greve que durou mais de um mês (exatos trinta e quatro dias), a Tupi voltou a operar normalmente no sábado (4). Em assembleia no sindicato da classe, prevaleceu a decisão da minoria pela retomada das atividades, com o pagamento de dois meses, dos vários em atraso. Nem todos retornaram.

.o. Participante especial do “Show do Clóvis Monteiro”, Luiz Ribeiro disse: “Optou-se pelo equilíbrio, pois, a emissora já estava perdendo anunciantes”. A medida, segundo a conversa dele com o titular do programa, foi para salvar a Tupi. Clóvis frisou que cento e cinqüenta pessoas são dependentes do emprego na rádio.

.o. O suposto comprador da emissora, um empresário de São Paulo, que alguns setores consideravam como o próximo dono da concessão, desistiu de negociar. A volta da rádio ocorreu a zero hora, com Garcia Duarte fazendo o “Super madrugada”, em vez do Fernando Sérgio, seguindo-se o Mário Belisário.

.o. No show do Clóvis, o quadro “Histórias positivas” traçou um extenso perfil do Zeca Pagodinho, o aniversariante do dia, produzido por Gilza Nunes.Curioso. Foi com uma gravação do Zeca (tocada pela metade), que a MPB FM saiu do dial à meia-noite de quarta (1°). Era do Chico Buarque, “Quem te viu, quem te vê”.

FREQUÊNCIA DUPLA
.o. Alegando ‘decisão estratégica’, o Grupo Bandeirantes fechou a 90,3. A iniciativa causou espanto entre ouvintes e surpreendeu funcionários. A freqüência, agora, é ocupada pela Bandnews, que fica em princípio, em canal duplo (94,9 é o outro). Tal procedimento acende o imaginário dos apreciadores.

.o. O Grupo Fluminense, de Niterói, em dificuldades financeiras, certamente pediu um preço elevado pela renovação do contrato de arrendamento. Daí, a origem do imbróglio. A Bandnews se encontra muito bem situada no Ibope e, -- tudo indica -- estará, em tempo breve, somente na faixa que pertencera à ‘falecida’ MPB.

NA ‘CARA’ DO ÓBVIO
.o. “É muito bom comentar futebol. As coisas boas, algumas nem tão boas... Eu tenho a minha opinião, o Álvaro (Oliveira) a dele (sic)”. Foi dessa forma que o Eraldo Leite se expressou ao participar, depois das férias, do primeiro “Enquanto a bola não rola”, domingo (5). Ele não é mais titular do programa.

.o. Francisco Aiello conduz a tradicional atração da Globo, acumulando funções, visto que em dezembro, assumira o “Galera da bola”, substituindo ao Felippe Cardoso (demitido). O dominical, que habitualmente reúne um quarteto de comentaristas, contava naquele dia com Eraldo, Álvaro e Dé Aranha.

I N T E R L I G A D A S
.o. É recorrente dizer que, de bumbuns de neném, cabeças de juiz e diretor de rádio pode-se esperar apenas surpresas. E, são cada uma...
_______
.o. O fechamento da MPB FM, um exemplo desta assertiva. Às perguntas, na ponta da língua, dificilmente farão seu público silenciar.
_______
.o. MPB, originária da Panorama, nascera na Baixada Fluminense, e chegou a se chamar Nova. Seria posteriormente vinculada a “O Dia”.
_______
.o. Uma das raridades, tratando-se de rádio musical dedicada às pessoas de bom gosto e alto nível escolar. Pena que tenha sido deletada.
_______
.o. Sua programação era original. Sem os vícios de determinadas congêneres que, há pelo menos vinte anos rodam os mesmíssimos temas.
_______
MEMÓRIA VIVA
.o. Pioneiro dos programas de perguntas e respostas na televisão, “O céu é o limite” (Tupi), foi marcante na carreira de J. Silvestre (1922-2000). Como noventa profissionais em cem da telinha, J. (de João) começou no rádio, em 1941 na Bandeirantes. Depois, viria para a Tupi, líder dos Diários associados, no Rio, e cognominada ‘O Cacique do ar’.

.o. Retornaria a SP para atuar na Cultura. E novamente deixaria a terra da garoa pela carioca de São Sebastião. Seu paradeiro? Tupi. Fez de tudo no rádio. Ator, produtor, apresentador, diretor e, inclusive autor de novelas. Afastado da TV, Silvestre dirigiu a Nacional. Uma de suas contratações foi Cidinha Campos, que se revelara na Jovem Pan.

_______
HORAFINAL.COM
.o. O programa do David Rangel aos domingos ‘subiu no telhado’, ou faltou coringa para ele? Há três semanas está no horário, “Globo na rede”, com Vanessa Di Sevo, de Sampa. O SGR não anunciou a mudança.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Girando com as ondas (020)

O ÂNCORA 6 DO “CBN RIO”
Em sua primeira experiência como locutor, o Fernando Molica vai bem (muito bem) no comando do “CBN Rio”, onde estreou na segunda-feira (16). Jornalista com mais de 30 anos de carreira vividos nos principais veículos – o último, na condição de colunista de “O Dia” – Molica é o sexto âncora na história do programa, lançado em outubro de 1991.

.o. Ao longo desses 25 anos, no entanto, ninguém foi melhor apresentador do “CBN Rio” do que o Sidney Rezende, um dos fundadores, e o que permaneceu por mais tempo. Sidney perdeu o posto em 2009, depois de um desentendimento com a todo-poderosa Mariza Tavares (terceira diretora do jornalismo), que saiu em 2016 para um projeto literário.

.o. Além do Sidney Rezende, foram titulares do “CBN Rio”, no período, os jornalistas Maurício Martins, Lúcia Hipólito, Octávio Guedes e Carolina Morand. Nas funções de repórteres e apresentadoras transitórias, atuaram Lilian Ribeiro e Bianca Santos – esta integrando a equipe agora liderada por Fernando Molica, sendo a produção de Ricardo Porto.

UM CASO INUSITADO
.o. Durante a maior parte deste mês (26 dias), a Tupi continuou operando no piloto automático. A greve, iniciada no apagar das luzes de 2016 – 30 de dezembro --, não trouxe uma solução para o impasse, qual seja, o pagamento dos salários atrasados há vários meses. Afinal, a rádio foi vendida ou não foi? Seria o dono da Top SP, realmente o negociador?

.o. O mais intrigante nisso tudo, é que nenhum jornal, mesmo da linha popular tenha tratado do assunto. Os medalhões se omitem, como se nada tivessem com o problema, caso inusitado na história do veículo, não se restringindo ao Rio, mas abrangendo o meio nos rincões do país. Ironicamente, há quem assegure ‘que brasileiro não vive sem rádio’.

NÃO VAI ABRIGAR TODOS
.o. Enquanto as duas mais importantes emissoras cariocas reduziram seus quadros dispensando profissionais destacados, a Bradesco vai abrindo vagas para os destituídos. Carla Matera é a nova aquisição da rádio com nome de banco. É certo, porém, que não haverá, no prefixo, o aproveitamento daqueles que ainda se encontram desempregados.

.o. Reunir Antônio Carlos Duarte, Eugênio Leal, Sérgio Américo, Sérgio Lobo, Jota Santiago e Vinício Gama foi – não se pode negar – uma atitude louvável do Edilson Silva. O preço, evidentemente, teve o caráter de custo-benefício. A cada novo contratado, dava-se o afastamento de dois, que antes formavam na equipe. Uma logística do empreendedorismo.

I N T E R L I G A D A S
.o. O jogo do Brasil com a Colômbia (seleção do Tite 1 a 0), renda a favor da Chapecoense, marcou a estreia de Jota Santiago na Bradesco.
_______
.o. Jota se juntou a quatro ex-colegas, que integraram o ‘pacote’ de demissões da Tupi, distribuído em julho do ano recentemente terminado.
_______
.o. O calvário de incertezas em que a outrora líder dos Associados mergulhou, leva-a para um caminho de perdas de público e anunciantes.
_______
.o. A permanecer por mais tempo no regime precário do ‘vitrolão’, candidata-se, em desvantagem, a concorrer apenas com O Dia e a Mania.
_______
MEMÓRIA VIVA
.o. A grande notícia no primeiro semestre de 1997 fora a contratação, pela Tupi, do Áureo Ameno, que conquistara no ano anterior um mandato para a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro. Dispensado no início do período (justamente por se eleger), Áureo era o mais antigo funcionário da Rádio Globo, nela ingressando como repórter ao fazer a cobertura do suicídio de Getúlio Vargas, em 1954.

.o. Participante do “Show do Antônio Carlos”,passou para o do “Clóvis Monteiro”, e ganhou um quadro na “Patrulha da Cidade”, de defesa do consumidor. Estreara oficialmente em 23 de junho, porém fizera questão de uma pré-estreia (dia 20), para, na condição de comentarista, prestigiar seu velho companheiro Doalcei Camargo . Este, mesmo adoentado, transmitira de São Januário, naquela noite, a partida entre o Vasco e Penãrol, pela Supercopa dos Campeões.
_______

HORAFINAL.COM
.o. Virtual comprador da concessão da Tupi, Paulo Masci de Abreu é dono da Rede Mundial de Comunicações, de que fazem parte emissoras de rádio e TV do Rio e São Paulo. No começo, ele foi sócio da Capital (ex-Continental), há alguns anos administrada por uma seita evangélica.


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Girando com as ondas (019)

DAS AMARGAS, ‘TAMOS’ FORA
A governanta lá de casa, extremamente simplória, só ouve a Globo. Entre os afazeres diários se informa com o “Momento de fé”, do padre Marcelo Rossi, e o “Manhã...”, do Roberto Canázio.

.o. (Tem dificuldades em trocar de emissora, no seu radio antigo de energia elétrica). Quando tratam de assuntos que lhe parecem estranhos, deixa escapar única exclamação: “Que coisa, hein!”

_______
.o. Num site especializado, o Garotinho José Carlos Araújo mantém uma crônica sobre tema que lhe é pertinente. Na segunda (9), falou sobre o Ano Novo, sonhos, realizações, erros, acertos.

.o. O texto, contendo umas 25 linhas, não faz qualquer referência à Tupi, naquela altura há dez dias em greve indefinida. “Que coisa, hein!” -- copiamos a nossa governanta, diante do ‘nem tô aí’.

O QUE VEM DE LONGE
.o. No primeiro dia de 2017, pela Nacional (Brasília), Regina Melo apresentava entre 7h e 8h da noite, “Roda de samba”. Um oásis, a cuidadosa seleção musical. Num dos quadros, ela prestou homenagem ao compositor Custódio Mesquita.
.
.o. Os de mais idades se lembram dele, algumas de suas produções, casos de “Promessa” e “Saia do caminho”. Custódio incursionava por outros gêneros, sendo marcante o fox “Nada além”, em parceria com Mário Lago, imortalizado por Orlando Silva, nos primórdios do rádio, e Hebe Camargo, no auge da televisão.

SEM DERRAMAR O LEITE
.o. Fazer programação em emissora segmentada é, no jargão das redações de rádio (e jornais), ‘tirar leite de pedra’. Na Bradesco Esportes, onde um locutor ironiza ‘as outras’, a base paulista teve ‘que se virar’, pois não preparou especiais para a passagem de ano. Um dos recursos, entrevistar conjuntos musicais.

.o. Como, no improviso, preencher horários? O grupo Jota Quest foi um dos escolhidos. Ao terminar o ano que agora começa, eles (os empreendedores) vão, certamente, se planejar. Ou então, mudam a proposta do prefixo para Bradesco Esportes (e... musica). Aí, sem os atropelos, funcionará durante as 24 horas.

I N T E R L I G A D A S
.o. A Nacional tem programa novo aos domingos, pelas manhãs. A partir das 8h, com Isabela Azevedo. Nome: “Nas trilhas da história”.
_______
.o. Também fala em trilhas, o cartaz noturno nesse mesmo dia, com a Luciana do Valle. Trata-se de “Todos os ramais”, sobre a Baixada.
_______
.o. “Repórter Rio”, matinal daquela emissora, antes com meia hora de duração, foi reduzido para quinze minutos. É transmitido às 7h45.
_______
.o. Qual o repórter ou apresentador que numa fase não tenha sido estagiário? No rádio atual, eles estão muito presentes nas principais.
_______
MEMÓRIA VIVA
.o. Comemorou-se em 4 deste mês o “Dia da Música Popular”. No distante ano de 1939 em pleno Estado Novo, Carmem Miranda e Almirante cantavam em dupla, numa Feira de Amostras, o samba “Boneca de Piche”, de Ary Barroso e Luiz Iglésias.
.o. Carmem, favorita de Ary mudava-se poucos meses depois para os Estados Unidos. Saía de um estrelato na Mayrink Veiga, para encantar os shows business na terra do Tio Sam. O Flamengo de que Ary era torcedor, sagrava-se campeão no Rio.
_______
HORAFINAL.COM
CBN, ‘a rádio que toca a notícia’ passa a ser, agora em 2017, o terceiro canal no Rio, a adotar informativo de conotação chapa branca. Junta-se às emissoras da EBC (Nacional e MEC AM). A diretriz foi negociada recentemente, num encontro do alto comando da Globo e do Planalto, revelado por um colunista da “Folha de S. Paulo”.


quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Girando com as ondas (018)

ANO DIFÍCIL DE ESQUECER
Foi um ano duro para a classe de radialistas e, -- como se pode perceber --, nada fácil para ninguém nos setores de atividades diversas. A crise econômica (indiferença de gestores à parte), a maior vilã da temporada. Os melhores profissionais, evidentemente com remuneração alta, foram os mais atingidos pelos pacotes, que resultaram nas baixas.

.o. Tantas foram as demissões, que elas se transformaram em lugares-comuns no popular veículo. Preservados, todavia, os empregos dos que atuam sob a condição de PJ (pessoa jurídica), uma categoria privilegiada, que são os agenciadores de publicidade, principalmente os que acumulam funções -- a de ‘homens da pasta’ com os da ‘latinha’.

.o. A exemplo dos demais, todavia, eles também dependem (e muito) dos pequenos que formam a estrutura de um programa – repórteres, produtores e sonoplastas, dos quais, prestadores de serviços a maioria, ignorados pelo público, solenemente no anonimato. Louve-se, na Tupi, atitudes humanitárias dos bem situados socorrendo os humildes.

O MEXE E REMEXE
.o. Retirado da grade há oito meses, o “Eu sempre quis fazer rádio”, aos sábados, 21h, está de volta à Globo, como acontecera com o “Agito geral”, agora apresentado pelo Roni Magrini. O programinha saíra de cartaz juntamente com o “Alegria ao meio-dia’ e o “Samba amigo”.

.o. Com essas modificações, o “Se liga no sábado”, surgido nos meados do ano, ‘subiu no telhado’. No lugar, folga do “Agito”, entrou o “Vem pra pista”, com o Guilherme Grillo e André Henriques. (Pelos corredores da rádio andam cantarolando um sucesso sertanejo...)

REPASSE DOS FATOS
.o. Retrospectiva é coisa que os jornais, TVs e rádios não deixam de programar a cada final de ano. E lista dos melhores aparecem nos dois primeiros, não acontecendo no ‘primo pobre’ desde que a televisão passou a predominar na preferência do público, avesso a teatros e cinemas.

.o. Num ano conturbado pela crise, de forma nenhuma, alguém (ou algum órgão) se arriscaria a promover quais os destaques daquele de que ‘o brasileiro não vive sem’. Dificilmente se encontraria dez numa listagem insuspeita. A mesmice é um fato que simplesmente impediria a escolha.

_______
I N T E R L I G A D A S
O jornalista e escritor Fernando Molica é o novo contratado da CBN. Vai comandar na próxima temporada, o “CBN Rio”, das 9h30 às 12h.
_______
Ele substitui Carolina Morand, que o SGR dispensou mês passado. Indefinida a posição da Bianca Santos, que ficou responsável pelo horário.
______
Entressafra do futebol, Eraldo Leite e comentaristas de férias. Rafael Marques dá conta do dominical de debates, com o auxílio de repórteres.
_______
Influenciado pelo mais novo concorrente -- “Bola na mesa” -- o “Enquanto a bola não rola” esticou seu horário, indo também até às 4h.
_______
Treze meses depois de encerrar suas atividades no dial, a Manchete 760 continua operando em regime precário, para garantir a concessão.
_______
A continuidade do movimento grevista da Tupi, já na terceira etapa, criou no Rio, inusitado panorama – duplicidade em piloto automático.
_______
MEMÓRIA VIVA
Baseadas nos modelos de revistas americanas que badalavam os profissionais do mais antigo veículo de comunicação, especializadas do Rio, como a “Radiolândia e a “Revista do Rádio”, publicavam anualmente uma lista dos melhores em seus segmentos.

Em 1956, a “Radiolândia” lançava sua seleção. Constavam os nomes de Névio Macedo (locutor comercial); Jorge Cury (esportivo); Ricardo Serran (comentarista); Carlos Frias (narrador); Silvana Aguiar (locutora); Ivon Cury (cantor); e Ângela Maria (cantora).

Paulo Gracindo e Daysi Lúcidi, radioator e radioatriz; Ema D’Avila, atriz cômica; três produtores – um geral, outro musical e um humorístico, respectivamente, Dias Gomes, José Mauro e Francisco Anízio (que adotaria o Chico Anísio ao migrar para a TV).

Arranjador Radamés Gnatalli; regente Léo Perachi; instrumentista Jacob do Bandolin; vocal Conjunto Farroupilha; orquestra Tabajara de Severino Araújo, novelista Egard G.Alves; radiorepórter Rubem Amaral; disc-jockey Mário Luiz e animador César de Alencar.

_______
HORAFINAL.COM
Pulou fora da embarcação à deriva o último dos comandantes da Tupi. O impasse remete ao caso da TV homônima, que deixou um grupo de artistas na rua. Versão cabocla do Titanic, é certo, pelo menos, que neste drama haverá sobreviventes. Em qualquer circunstância.




quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Girando com as ondas (017)

GOSTO AMARGO DA CRISE
No entorno dos 72 anos de sua emissora-matriz, o Sistema Globo de Rádio distribuiu, em vez de troféus (ou medalhas), ‘bilhetes azuis’ para dez profissionais – apresentadores, narradores e repórteres. Participantes da celebração do aniversário, na sexta-feira (2), alguns deles, logo avisados de não mais pertencerem aos quadros da casa, sentiram o gosto amargo dos quitutes oferecidos aos funcionários e autoridades pela efeméride.

.o. Depois do ‘pacote’ de abril, no qual a empresa descartou duas dezenas de contratados, o ‘listão’ de agora pegou o Alexandre Ferreira, Zeca Marques e Ceci Mello (exclusiva da CBN); o Evaldo José, Leandro Lacerda e Felippe Cardoso, do esporte; os experimentados Marco Antônio de Jesus e Silvana Maciel, da reportagem e, Diana Rogers, da nova geração. (Carla Matera, nem esquentou lugar). Consequências da crise no país, ou não?

.o. Nem tudo, para os cabeças bem pensantes, deve-se a ela. Nessa oportunidade, como analisar, ou entender o quesito gestão? Na saída do Bruno Thys, dizíamos neste espaço que, administrar uma rádio não é o mesmo que dirigir uma gravadora de discos. Será que os herdeiros do Roberto Marinho estão satisfeitos com a desfiguração que vem se desenvolvendo na principal emissora do grupo? Se positivo, pontos para o compadrio.

.o. Fala-se que ‘uma nova Rádio Globo vem aí’, em 2017. O jovem, na faixa dos vinte e sete a trinta e poucos anos vai ser o público alvo. Destaques prováveis, apresentadores do tipo Ana Paula, Bruno Mattos, Guilherme Grillo, Augusto Sousa, e semelhantes.Diante do anunciado, Antônio Carlos, Roberto Canázio e o David Rangel irão – talvez fechando março -- cantar aquele samba do Tom Jobim: “É pau, é pedra/ é o fim do caminho’.

MANCHA NA HISTÓRIA
.o. Uma rádio qualquer parar por motivos técnicos nesses rincões do país, não é nada demais. Uma rádio da imponência da Tupi ficar um dia inteiro no piloto automático por dívidas trabalhistas, não é só um fato inédito, quanto inacreditável. Prova cabal de irresponsabilidade dos executivos com os subordinados, funcionários, artistas. Mais surpreendente: a greve ocorrida foi um protesto contra os atrasos de dezoito (!) meses dos salários.

.o. Tão vexatório, que não custa frisar -- um ano e meio sem ver a cor do dinheiro, ou na melhor das hipóteses, ‘vales”, para amainar o clima de insatisfação. Mancha no histórico da outrora líder dos Diários associados. Isso aconteceu na última quinta-feira (8).Muito difícil alguém trabalhar, passando informação e diversão para o ouvinte, vivendo num ambiente desses. O mínimo que se pode pensar – situação lamentavelmente caótica.

‘AGITO’ VEM, ‘AGITO’ VAI
.o. O “Agito geral” da Globo está de volta. Pela enésima vez. Com a bola no momento, o Roni Magrini, um dos renomados profissionais do ramo, que aparece na rádio em sua terceira temporada. (Em 2002, por ser altamente remunerado, o SGR mandou-o embora. A dispensa dele coincidira com a ‘rasteira’ que deram no Haroldo de Andrade (1934-2008) em agosto daquele ano. Um pouco antes, tiveram igual procedimento com o Paulo Lopes.)

.o. Digressões à parte. A primeira audição do “Agito” fora em 6 de dezembro de 1998, com o Mário Esteves. O programa era às 9h das manhãs, aos domingos. Depois, a cada mexida na grade ele entrava e saía. Dentre os comunicadores que o pilotaram, a dupla Maurício Menezes/Hélio Júnior, Loureiro Neto (1952-2014), David Rangel, Luiz Torquato e Thiago Matheus , os dois últimos de São Paulo, como o Magrini ouvido novamente em rede¹.

POR UMA TERCEIRA VIA
.o. Procura-se uma terceira via para o rádio no Rio. Com o volume (e sucessivas) demissões registradas num ano abalado pela crise econômica, Globo e Tupi -- as principais – e o veículo, de modo geral, estão caminhando celeremente para o empobrecimento (ou, quem sabe), os inapeláveis e derradeiros degraus de evidente falência múltipla. Somando-se às mais recentes baixas (exceção dos técnicos), os demitidos supera a meia centena.

.o. A imaginária reunião dos melhores profissionais demitidos a partir de abril, (na rádio da Glória) e, em julho (na de São Cristóvão) daria para formar uma emissora bastante atraente. Ela até poderia se chamar Alternativa, em condições inegáveis de ultrapassar, em audiência, as classificadas de pequeno investimento – tal qual uma FM Fanática, tida como surpresa, além, naturalmente das, digamos, seminais O Dia e Mania, do segmento.

_______
I N T E R L I G A D A S
Semanal aos sábados após a primeira fase, o “Agito” com Roni passou a ter maior espaço. Aos domingos e nos dias sem futebol, de 10h da noite às 3h das madrugadas.
_______
Com isso, o “Panorama esportivo” recuou para as 8h, ficando de fora quando houver jogos no horário. O mesmo esquema aplicado ao “Pop bola”, nas edições dominicais.
_______
E, a Ana Paula, que deixou de lado a Portuguesa, depois que assumiu o “Tá’ rolando música”, ganhou outro programa. Sobrou para seu comando, o “Domingo + família”.
_______
(Cá entre nós). Essa moça no lugar do Alexandre Ferreira -- nada pessoal --, ‘é dose pra javanês’. Por quê não contratarem uma Gláucia Araújo, hoje na combalida Nacional?
_______
Chamadas na Bradesco Esportes indicam que ‘a nova seleção do rádio’ vai receber mais um reforço. É nada menos que o Jota Santiago, do grupo recentemente desligado da Tupi.
_______
Sua estreia, porém, está prevista para o início do próximo ano, durante o campeonato regional. Correntes de bastidores já consideram Edilson Silva como o empreendedor.
_______
Mas, à medida que chega um integrante para a equipe, dois são afastados. No processo de restauração que a emissora implantou , tem sido assim ‘que a banda toca’, com tambores e fanfarras.
_______
E, dizer que, desde o início do ano, a Bradesco está funcionando ‘à meia-bomba’. Sua grade no Rio, onde virou núcleo, é bastante inferior aos breaks transmitidos de Sampa.
_______
MEMÓRIA VIVA
Paulo Tapajós (1913-1990), que dedicara a maior parte de sua vida ao rádio, onde começara na juventude, discorria sobre a importância do veículo na década de 80 num depoimento à Jornal do Brasil AM. “O rádio – dizia ele – era muito precário nos primórdios. Surgira para valer em outubro de 1923, graças ao trabalho dos irmãos Moreira, do Recife”.

Cantor, compositor e produtor, Tapajós foi, por certo período, diretor de programação da Nacional. Formava com Almirante, José Mauro e Haroldo Barbosa, um quarteto de ouro. Entre os programas que produziu e apresentou, destacam-se “Quando os maestros se encontram”, na então poderosa emissora, e “Nosso domingo musical”, na Rádio MEC AM.

HORAFINAL.COM
¹O SGR acaba de retornar aos programas em rede, alguns transmitidos do Rio, outros de São Paulo. Não faz muito tempo, retirara o recurso – no intuito de deter o avanço da rival carioca. A (in)decisão, de caráter econômico, parece com a de noivas em dia de casamento.


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Girando com as ondas (016)

A BOLA QUE VIRA O JOGO
Subiu a temperatura na briga pela audiência no campo esportivo com a entrada, há pouco mais de um mês, do reativado “Bola na mesa”, do Marcus Aurélio, agora transmitido pela Bradesco Esportes FM. O programa nasceu na Tupi. A saída do Marcus, proporcionara o surgimento do “Bola em jogo’, entregue ao Luiz Ribeiro, que também assumira o Giro esportivo”, apresentado às dez da noite.

.o. Na época, o “Enquanto a bola não rola”, do Kleber Leite, na Globo, liderava o horário que dá início às jornadas nos domingos. Sucessivas mudanças na rádio abriram brechas para a concorrente, que reverteu a vantagem. Isso já dura mais de uma década. O “Enquanto...”, nos últimos anos conduzido pelo Eraldo Leite, já teve entre outros apresentadores, o Elso Venâncio e o Ronaldo Castro.

CONDIÇÕES ESPECIAIS
.o. Obedecendo as atuais condições do mercado, a Bradesco aproveitou a disponibilidade do Vinício Gama, Eugênio Leal, Antônio Carlos Duarte e Sérgio Américo, que ‘dançaram’ nos anteriores endereços. Quanto à inclusão do Sérgio Lobo, resultado de um xeque-mate no Acácio, e outro no Rogério Lourenço.

.o. Denominada pelo marketing como ‘nova seleção do rádio’, a Bradesco não se limitou, nessa briga, a recrutar reforços. Mexeu novamente na sua programação diária, trocando, a partir do meio-dia, os horários de “Os donos da bola”, “Comendo a bola”, “Bradesco Esporte Clube” e o “Sala de imprensa".

UM IBOPE PARTICULAR
.o. Embora seja cronologicamente o terceiro, “Bola na mesa” figura, de acordo com levantamento, em primeiro lugar na preferência do público. Os índices, refletidos pela interatividade através do WhatssApp, são motivos de júbilo do apresentador e participantes, considerando-se o pouco tempo de sua existência.

.o. Lobo transitou por vários prefixos e canais de TV. Ainda este ano integrava o grupo de analistas do programa esportivo da Tupi. Outro que lá estava, inclusive nas coberturas de carnaval (Fred Soares), também se bandeou para a rádio com nome de banco. Tem aparecido no novo cartaz, ou seja, na ‘seleção tri do rádio’.
_______
I N T E R L I G A D A S
A tragédia aérea com a delegação da Chapecoense enlutou o futebol e o jornalismo, familiares, amigos. Foi a maior delas, comparando-se a oito semelhantes.
_______
Dos jornalistas vitimados, Deva Pascovicci, Paulo Júlio Clement e Vitorino Chermont, os mais conhecidos. Eram do Sistema Globo de Rádio, antes da televisão.
_______
O primeiro foi narrador da CBN em São Paulo. Os outros trabalharam no Rio, tendo Clement inaugurado a gerência nacional de esportes do SGR, criada em 2001.
_______
Rubem Confette, que no começo das tardes faz o “Ponto do samba” na Rádio Nacional, saiu de férias. E, já está voltando às atividades nos primeiros dias deste mês.
_______
No seu lugar, a emissora escalou o Laio Júnior, da nova geração de valores, filho de um ator do passado, do tempo das novelas na tradicional estação da Praça Mauá.
_______
Aquele ditado que diz ‘filho de peixe, peixinho é’, não se aplica ao moço – com todo o respeito. A voz não ajuda, a inflexão muito menos. O velho Confette é nota dez.
_______
MEMÓRIA VIVA
Tratamos na postagem anterior dos cuidados que o rádio antigo dispensava aos títulos de suas atrações. Criatividade naquela época era uma espécie de ponto de honra para a classe. Nas linhas adiante, alguns memoráveis -- e até simples.

“Gente que brilha”, de Paulo Roberto, produção e apresentação; “Um milhão de melodias”, de Haroldo Barbosa, com Aurélio de Andrade e Reinaldo Costa; “Seu criado, obrigado”, produzido por Lourival Marques, sendo narradores Cesar Ladeira e Daysi Lúcidi (Nacional).

“No tempo de Noel Rosa”, de (e com) Almirante; “Marmelândia, o país das maravilhas”, de Max Nunes, com atores cômicos; “Caleidoscópio”, produtor José Mauro, apresentador Carlos Frias; “Boa noite para você” -- crônicas do Hélio Thys --, também com o Frias (Tupi).

“Piadas do Manduca”, de Renato Murce, produtor e ator, na companhia de Brandão Filho e o Apolo Corrêa; “Só vale quem tem”, com Aérton Perlingeiro, criador e apresentador; “Pescando estrela – de calouros – com Arnaldo Amaral, condutor e idealizador (Clube do Brasil).

Os humorísticos “A cidade se diverte”, “Regra de três” e Miss Campeonato”, de Haroldo Barbosa, Antônio Maria e Sérgio Porto – respectivamente. Apresentações, por ordem, de Carlos Henrique, Cid Moreira e, do Sérgio em parceria com a vedete Rose Rondeli (Mayrink Veiga).

“Pergunte ao João”, de João Evangelista, apresentação de Jorge da Silva (‘o Majestade’) e Anita Taranto; “Noturno” e “Especial JB”, produções do Simon Khoury, que os comandava; “Arte final, variedades”, de Luiz Carlos Saroldi, ele com Ney Hamilton (Jornal do Brasil).
_______
HORAFINAL.COM
Nelson Sargento, 92, apresenta “Eles têm histórias para contar”, na Roquette Pinto FM, às quartas, 3h da tarde, ancorado por Agenor de Oliveira. O CD “... 91 anos de samba”, dele com Pedro Miranda -- uma releitura de sua obra --, saiu esta semana.






quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Girando com as ondas (015)

SOLIDARIEDADE DÁ IBOPE
Há quase duas décadas na Manchete, Roberto Canázio lançava o “Telefone da solidariedade”. Um sucesso no rádio prestador de serviços. Maior êxito obtivera na Tupi, para onde ele se transferia em 2001. Canázio faz dia 1º próximo, dez anos na Globo. O “Telefone...” está de volta. Insofismável apelo que, aliado aos debates eleva os índices da audiência.

.o. Na sua chegada à emissora, o projeto de programação em rede se encontrava em curso, visando alcançar novas praças, mercados. “Se liga, Brasil”, das 13h às 15h, foi a parte dele no ‘latifúndio’. Tinha um apêndice regional, “Se liga, Rio”, na hora seguinte. Com a troca de diretores, caíram. O horário do Canázio mudou, com a doença do Loureiro Neto.

UM SHOW A MAIS
.o. O que era “Show da manhã”, agora se chama “Show do Clóvis Monteiro”, que acaba de celebrar 20 anos das 6h às 9h na Tupi. Iguala-se, partir da mudança no título, à estrutura de outros existentes na casa, evidenciando a pobreza de criatividade no rádio contemporâneo. Quando o precedente ao nome do apresentador não é a palavra ¹‘show’, é ‘programa’.

.o. Na Rádio Tamoio dos anos 70, após abandonar o ‘musica, exclusivamente música”, os apresentadores em todos os horários emprestavam seus nomes às atrações. Eram, nos lugares de um “Vitrine”, “Passarela” e “Consagração”, o programa Fernando Sérgio, idem Jorge Perlingeiro, Kleber Sayão, José Cunha,Manhoso, Marne Barcelos, Nena Martinez etc.

...VIROU FOGUETE
.o. Um ano depois de encerrar suas atividades (saiu do dial pela terceira vez), a Manchete não despertou o interesse de qualquer empresário ou igreja evangélica. Conseguiu, porém, alugar duas horas no entardecer, para uma tal de Sputnik, que faz jornalismo à moda antiga, chamado de ‘gilete press’. Entre 2006 e 2015, com um bom elenco, era alternativa em AM.

.o. A retirada de dois anunciantes -- uma indústria de cerveja e a companhia que administra trens e metrôs do Rio --, foi o suficiente para determinar que a emissora fechasse as portas. Parfaraseando um de seus slogans: “Aconteceu... virou foguete”. Na autoproclamda ‘rádio de verdade’, provavelmente nem o detentor da concessão teria imaginado isso.

NA CONTA DA CRISE
.o. E, o Hélio Júnior, hein? Sobreviveu sete meses após o término do “Alegria ao meio-dia” que a Globo mandou para as calendas, juntamente com os amigos-irmãos-camaradas Maurício Menezes, Mário Esteves e Sérgio Ricardo. O Sistema Globo, e o Condomínio Tupi – já se falou – estão parecendo lojas de shoppings em liquidação de seus produtos.

.o. Os melhores profissionais vão cedendo espaços aos estagiários (nada contra), que as emissoras contratam a propósito de reduzir os gastos na crise econômica. Eles serão, sem dúvida alguma,os radialistas do futuro, com a reinvenção do veículo, numa era que se acredita, plenamente digital. Mas, enquanto não ‘pegam jeito’, a qualidade baixa.

I N T E R L I G A D A S
A Bradesco Esportes, no Rio, modifica mais uma vez sua programação. Promoveu a reestreia segunda-feira (14) do “Sala de imprensa”, retirado da grade no início do ano. Antes um programa de debates, agora é um compacto de notícias, nos fins de tarde.
_______
Na primeira versão, que durava três horas, o apresentador era Ronaldo Castro. A renovada, tem o comando de Rodrigo Campos, há poucos meses reintegrado à emissora. Sérgio Lobo, atuante numa TV, é o comentarista. Último dos recentemente contratados.
_______
Com essa modificação, “Os donos da bola”, que tinha duas edições – uma reprisada – saiu da rádio², ficando exclusivamente na TV. Outra novidade é a extensão do “Bola na mesa”, com Marcus Aurélio que, um mês depois, passou a ser do meio-dia às quatro.
_______
Cantor e compositor de rock, Marcelo Novas foi o tema do “Estúdio F – momentos musicais da Funarte”, sábado (12), às 14h, e domingo (13), às 22h. Líder do Camisa de Vênus, fez lançamento de seu primeiro álbum em 1980, puxado pelo hit “Beth morreu”.
_______
Dono de lojas de discos antes de trocar de lado, foi parceiro do Raul Seixas, resultando daquela união o conteúdo de quatro elepês. Com o desmantelamento da banda, tornou-se cantor-solo, investindo na carreira a partir do “Because”, uma produção inteiramente autoral.
_______
“Faça a coisa certa”, “Simca Chambord”, "Pastor João" e “Igreja invisível”, alguns de seus sucessos. Novas, segundo André Barcinski, ‘é o único rockster brasileiro’. Ele já atuou como radialista, na Aratu FM, em Salvador, Bahia, e Excelsior, em São Paulo (hoje CBN).
_______
O “Estúdio F”, que semanalmente ‘exibe’ o perfil de uma personalidade musical do país, compõe a grade da Nacional há dez anos. Da equipe inicial, apenas o apresentador Paulo César Soares permanece. Paulo Baião produz. De Maria Cristina Martins, o roteiro.
_______
¹MEMÓRIA VIVA
Marcantes por uma dessas expressões -- ‘programa’ --, os de auditório na fase de ouro da Nacional (César de Alencar, Paulo Gracindo e Manuel Barcelos); de estúdio -- José Messias (Guanabara) e José Duba (Metropolitana). O pioneirismo de utilizar a segunda é atribuído ao Aérton Perlingeiro, criador e apresentador de “Um show para milhões”, na Rádio Clube do Brasil, a terceira no país.

Surgidas nos primórdios do rádio, as então modernas palavras migrariam, mais tarde, para a telinha mágica da TV. Reforçavam, em tese, um bordão do Velho Guerreiro Chacrinha: ’No rádio e na TV(...) tudo se copia”. Saudosismo fora, nem sempre foi assim. A Mayrink Veiga, Tupi e Clube do Brasil, além da Nacional, se esmeravam em suas produções, a começar pelos títulos.

²ERRAMOS. "O dono da bola" não saiu da programação. Mudou de horário, sendo reproduzido na rádio mais cedo, antecipando-se à "Comendo a bola". Ou seja -- é 'bola' pra lá, 'bola' pra cá.

HORAFINAL.COM
“Antonhy Garotinho e Sérgio Cabral presos. Se os deixarem na mesma cela, são capazes de formar uma facção criminosa poderosíssima. A classe política é predominantemente corrupta”. (Ricardo Boechat, na Bandnews FM).


quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Girando com as ondas (014)

AS REPRISES EM ALTA
A Rádio Bradesco Esportes (de São Paulo), transmite nas noites das sextas-feiras, com reprise aos domingos, pelas manhãs, um programa de nome curioso: “Fala moleque”. Nas últimas edições, dias 28 e 30, Ricardo Boechat era o personagem focalizado. Quem participa do programa é sabatinado por, pelo menos, duas horas.Um tiroteio verbal.
.o. No finalzinho da atração, apareceu o Milton Neves e, o inevitável ‘rasga seda’. Ele afirmou, entre outras coisas, que “Boechat é o maior jornalista do país”. Um dos mais bem-sucedido agenciador de publicidade na mídia eletrônica, Milton faz diariamente nas rádios do grupo, dezoito boletins (gravados, é claro).

OS ‘DONOS’ E O ‘B’
.o. O mais badalado programa que a Bradesco reprisa é “Os donos da bola”, originário da TV. Vai ao ar nas tardes e à noite, de segunda a sexta. Na CBN tem um parecido -- “O lado B da bola”, no mesmo período e horários. Reprises no rádio é um modismo que vem se intensificando. Surgiu no declínio da Nacional, sucateada após a Revolução de 1964.

.o. A Nacional e a MEC AM (da EBC) travam séria ‘briga’ no quesito reprises. No balaio estão programas como o “Época de ouro”, “Eles, vozes da MPB”, “Elas, vozes da MPB”, “Garimpo”, “Maestro MPB”, “Ouvindo música”, “Fole e viola”, “Estúdios F – momentos musicais da Funarte” e, “O rádio faz história”.

A JANET REDIVIVE
.o. De uma plêiade de novelistas que fizeram nome no rádio, Janet Clair (1925-1983) foi, sem dúvida, a que conseguiu maior consagração na TV. “Pai herói”, um dos seus sucessos (exibido pela Globo em 1979), está sendo reprisado no momento pelo canal Viva.Janet escreveu para as rádios Tupi e Tamoio nos finais dos anos 40.

.o. As rádios dos Associados tinha um pequeno, mas seleto time de novelistas, destacando-se, Jota Silvestre, Dulce Santucci e Luiz Quirino. No elenco de atores, Lima Duarte, Antônio Leite, Dario Lourenço, Dandrea Neto, Paulo Porto, Newton da Matta, Radamés Celestino, Nair Amorim, Nely Villanova, Luiza Nazareth, entre outros.

PASSADO, PRESENTE
.o. A jornalista Gabriela Sá Pessoa, da “Folha de S.Paulo” entrevistou Lima Duarte¹ e Tony Ramos, principais intérpretes de “Pai herói’. Um trecho: “Atravessaram os mesmos tempos frugais para astros da televisão. Com atrasos nos salários que se arrastavam por até quatro meses, precisavam fazer temporadas no teatro durante as novelas. E, ‘perseguiam boca de gringo’ (trabalhos como dublador), diz Tony.

.o. Alguma semelhança, tantos anos depois, com a última do império construído por Assis Chateaubriand, mais que mera coincidência. Já naquelas ocasiões, as empresas do ‘Velho Capitão’, através de um tal condomínio, maltratavam os seus artistas e funcionários.Não era uma particularidade dos Associados. A Continental, dos “Comandos” do Carlos Pallut remunerava seus profissionais a base de ‘vales’.

I N T E R C A L A D A S
O bombardeio da imprensa conservadora, -- “Veja” e “O Globo”, na dianteira --, não conseguiu impedir que um representante da Igreja Universal fosse eleito prefeito do Rio, segunda mais importante capital do país.
_______
Ignorá-lo, quem há-de. A empresa dos Marinho encarregou o Roberto Canázio de uma ‘espinhosa’ missão. O programa dele, no rádio carioca, foi o primeiro a entrevistar o senador Marcelo Crivela, novo prefeito.
_______
Na segunda-feira (31), Crivela ganhou espaço generoso, trinta minutos na atração matinal. O apresentador quis saber dos secretários escolhidos e, ouviu que, o de Comunicação, poderia ser ele, seu entrevistador.
_______
Não, rebateu, Canázio. Jamais eu trocaria o microfone por uma atividade política. O papel social do radialista -- afirmou -- é ser cúmplice das autoridades. É cobrar as realizações dos seus projetos de campanha.
_______
¹ Antes de ser ator, Lima Duarte foi sonoplasta, depois dirigiu programas de rádio. Foi um dos pioneiros da TV Tupi, inaugurada em 1952 na capital paulista. Tony Ramos, como indica o texto, companheiro dele na emissora do 'Chatô', extinta em 1980, quando estava sediada na Urca, Rio.