Total de visualizações de página

Confira a hora certa!

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Ouvindo as ondas

UM NOVO TEMPO DA JB
Bem ou mal comparando, os bordões (slogans) das emissoras de rádio desfrutam de tanta importância quanto o ato de respirar das pessoas e dos animais. O rádio como os seres humanos não vivem, ou sobrevivem, sem um desses elementos.

o. Num ramo tão competitivo, às favas os preceitos de originalidade. No corre-corre da luta (árdua) e diária os que desenvolvem essas atividades não encontram tempo para conferir o que o seu vizinho concorrente anda fazendo.

o. Se, por acaso, lhes sobra algum momento, a preguiça, o comodismo e simplesmente o desinteresse impedem de ‘ver’ o outro. Ideais à parte, a palavra mais importante é faturar, ganhar nome, solidificar-se numa profissão, carreira.

o. Nesse começo de Ano Novo ‘vimos’ que a JB (99,9) arquivou o “música e informação”. Mantinha-o desde que seu carro-chefe era o AM, a PRF-4/940 KHz. “O tempo não para”, já dizia um poeta. “Passa e voa”, simbolizava um comercial.

o. Agora, o que se ouve é um “JB... onde você estiver”. Sem tirar uma palavrinha que seja, alguém pouco ligando para concorrente, ‘surrupiou’ um bordão alheio. Este aí era da Transamérica (101,3) há nada menos que ‘trocentos’ meses.

VESPERAIS DOS BAILES
o. Mudemos o pólo da conversa, à moda coestaduanos do ‘Rei’ Roberto Carlos. A JB, que os teóricos dizem adotar o estilo adulto contemporâneo, terminou 2017 bem posicionada no Rio em audiência – o quarto lugar, segundo as pesquisas.

o. Na terça (9), por volta de 1h da tarde, entre hits internacionais, rodados “Ainda Lembro” (Marisa Monte-Ed Motta), “Onde Você Mora” (Cidade Negra) e “Devolva-Me” (Adriana Calcanhoto). Para os vesperais dos bailarinos da ‘melhor-idade’.

NO ESTÚDIO REFINADO
o. As reformulações no SGR não só atingiram a matriz do grupo como também a CBN, que, em outubro de 2017, celebrava 26 anos de criação. Um dos frutos dessa passagem é “Estúdio CBN”, desde abril no ar, transmitido de São Paulo.

o. Sem dúvida, um ótimo programa. Diríamos, tratar-se de um oásis na tarde, entre 14h e 17h. O comando é da jornalista Tatiana Vasconcellos, que trabalhara na Bandnews. Esbanjando classe, ela ‘põe no bolso’ os de narizes empinados.

o. Na edição de segunda (8), os debates sobre o movimento político e a eleição do Globo de Ouro renderam inteligentes (e humoradas) intervenções. E teve o brilho de Natuza Nery, ex-colunista da “Folha”, hoje integrando a Globonews.

o. Nem só de política, trânsito urbano e amenidades internacionais se sustenta uma rádio informativa. Outro participante do “Estúdio...”, foi o produtor João Marcelo Bôscoli, um cultivador da vanguarda musical, temas dos anos 60/70/80.

‘... O FUTURO, COMO SERÁ?’
.o. Um seminário no quadrimestre final do ano colocou em questão, no Rio, o futuro do rádio. Este e os dois anteriores foram terríveis para a classe. Tamanho da crise. Em 2015, a Tupi demitiu 56 profissionais, afetando vários setores.

o. A Globo, sua eterna rival – começou a perder unanimidade com o “Projeto Brasil” – não dispensou em igual proporção, mas valores que ‘seguravam’ o público cederam lugares a principiantes e, às estrelas da televisão e internet.

_______
HORAFINAL.COM
Os meios de comunicação fazem, habitualmente nas proximidades da virada do calendário, levantamento das notícias marcantes do ano que fica. ‘Olhando’ no retrovisor do dial, os acontecimentos negativos superaram, de longe, os positivos.

HORAFINAL DOIS
Que em 2018 o clima nas ruas, lares e locais de trabalho seja melhor para todos. Torcemos que as autoridades (governantes, no caso) honrem (!) seus cargos, sem promessas vãs, enganosas, mentindo menos a eleitores e a si próprios.

N. do E.
O último boletim do Kantar Mídia Ibope revelado pelo site Tudo Rádio anuncia que, a Nova Globo ostenta a 7ª posição na audiência das FMs no Rio, atrás da Mix (6º). A CBN, que também reformulou sua grade recentemente, é a 16ª das emissoras cariocas no segmento. A Bandnews, mantém-se em 10° lugar.




quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Ouvindo as ondas

TUPI, A GLOBO DO PASSADO
Ao dispensar Antônio Calos e seus colaboradores há oito meses, os cardeais da Glória (na ocasião), mostraram dose elevada de persistência – ou qualquer termo que defina a tal iniciativa. Imprescindível, a reinvenção do rádio para eles.

A linha popular que marcou a emissora desde o distante dezembro de 1944, ficou esquecida num canto como ‘chinelo velho’. Juntando-se aos provenientes do Russel que já estavam em São Cristóvão, Tupi* atual é a Globo do passado.

BORDÃO E DISFARCE
Quando se ouve aquele bordão anunciando as jornadas esportivas – “Futebol Globo no Rádio”, a leitura correta é feita sob um embutido disfarce. Intermediando as duas palavras iniciais (com parêntesis) cabe perfeitamente o da TV. É isso.

Um modo matreiro (ou malandro) de dizer que se trata de uma transmissão com o inevitável recurso do off-tube. Antes (bota tempo nisso) limitavam-se aos jogos realizados fora do Rio. Deixou de ser. E a justificativa, uma somente. A crise.

ACABAR COM A EBC
O governador Geraldo Alckmin disse à “Folha de S. Paulo” que, se eleito presidente “vai acabar com a EBC”, criada na gestão Lula. (Nacional e MEC, no Rio, além da TV Brasil , em nada progrediram com o término da Radiobrás).

Com essa declaração, o pré-candidato deixaria no mínimo, de contabilizar 2.500 votos dos funcionários da estatal. Multiplicando-se por quatro, dos prováveis familiares, estima-se uns 10 mil votantes a menos.Evangélicos, o seu 'trunfo'?

SÓLIDA PARCERIA
Mais firme do que nunca a parceria de Gilza Nunes e Jackeline Nascimento, ou simplesmente Jackie, produtoras do “Show do Clóvis Monteiro”, atração matinal da Tupi, existente há 21 anos. A solidez da dupla,uma das garantias do cartaz.

Entre os participantes destacam-se os repórteres Cyro Neves e Diana Rogers. De volta à casa recentemente como produtor do Garotinho 2, Luiz Felipe Mello foi mantido. Também faz parte, o Marco Antônio de Jesus, um outro ex-global.
_______
HORAFINAL.COM
* Estão na Tupi, e eram da Globo nas últimas décadas, Washington Rodrigues, Francisco Barbosa, Heleno Rotai, Marcus Vinícius (o Mister Bean), José Carlos Araújo, Gilson Ricardo, Gerson Canhotinha.
E, ainda, Luizinho Campos, Ricardo Alexandre, Pedro Costa, Sérgio Américo, Jimi Raw, Alberto Brandão, Fernando Sérgio, Haroldo de Andrade Jr., Manhoso (afastados) com ações na Justiça trabalhista.
(Apesar da crise, a Tupi aumentou sua receita publicitária. São enormes suas dívidas com o condomínio dos Associados.)

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Rádiomania, o Livro/30

AS FASES DO HAROLDO (D-2)
Durante muito tempo as chamadas promocionais da Globo afirmavam que Haroldo de Andrade era o ‘número 1 do rádio brasileiro’. O comunicador, um autêntico líder de audiência, posição sustentada por nada menos que 35 anos – 42 dos quais a serviço da emissora – batera de frente com os executivos da empresa, a partir do momento em que se opusera ao projeto “Globo Brasil”.

E, porque Haroldo não aceitava essa ideia, cuja finalidade era transmitir programas em rede nacional, a rádio não renovaria o seu contrato, encerrado em julho de 2002. No último programa dele na Globo, sexta-feira 12 daquele mês, não lhe permitiram sequer, o direito de se despedir dos seus ouvintes.

Na segunda, 17, os diretores da emissora tentavam reparar a frieza do gesto, --o xeque-mate no profissional, avisado do seu afastamento por telegrama. Prestavam uma homenagem a Haroldo no “Manhã da Globo”, com novo ocupante no horário, o apresentador Loureiro Neto. O “Bom Dia”, da atração extinta, dava espaço a uma mensagem lida por Elói De Carlo, com o Concerto n° 1 de Tchaikovsky em fundo. Entre outras coisas, dizia que ‘a história da rádio se confunde com a do radialista, nascido para ser um comunicador de sucesso’.

O diretor regional Marcos Libreti justificava: “A emissora decidiu encerrar o programa do Haroldo de Andrade que tinha um público de 400 mil ouvintes por minuto, por estar reformulando sua programação. O objetivo, disse ele, é ter um conteúdo de caráter nacional, enquanto o antigo era de cunho local. Com a reformulação a rádio espera ampliar seu público e mais anunciantes.”

Notícia ruim para o Rio – rebatia no dia seguinte o cronista Artur da Távola, um profissional do ramo e estudioso do assunto, emendando: "Perda gravíssima para a qualidade do veículo e a perda de mais uma oportunidade de termos um rádio ao mesmo tempo popular e cidadão”. As razões de Haroldo, por não concordar com o projeto “Globo Brasil”, tem argumentos convincentes – frisava da Távola.

Em primeiro plano, considerava que o rádio AM falado, local, ou regional, necessita estar em íntima conexão com a comunidade onde atua. Há, características especificamente cariocas e fluminenses que não serão atendidas num modelo nacional, que inclua São Paulo e outros estados. Compreendendo-se que tal mercado é mais forte, o rádio não é TV – acentuava o cronista.

Haroldo de Andrade assegurava na ocasião: “Se o rádio se tornar nacional acabará por esmagar as emissoras do interior e, principalmente, as pequenas, reduzindo cada vez mais o mercado de trabalho para locutores, noticiaristas, comunicadores, técnicos. A afirmativa dele tinha como fundamento a invasão das evangélicas, que restringia o campo de atuação dos radialistas verdadeiros.

MEMÓRIA-2006
A Bandeirantes AM, no Rio, trocava o prédio (antigo) da Rua Alcindo Guanabara, na Cinelândia, por modernas instalações na Rua Álvaro Ramos, em Botafogo. Juntava-se a outras do grupo paulista, Bandnews FM e canal de televisão.

O jornalista Luiz Antônio Bap, do “Boca Livre”, dez anos na Band, com horário alugado, deixava a emissora. Mudava-se para a Tropical Solimões, de Nova Iguaçu (estúdios no centro do Rio), estreando em 1° de junho, uma 5ª feira.

Ficava em poder de Jaguar, o recorde negativo de permanência de um programa em emissoras cariocas. Ele estreava (também no 1° de junho), de 11h às 13h, no lugar do Bap. Na semana seguinte,porém, seu programa era retirado da grade.

Márcia Peltier ganhava um cartaz dominical na Tupi, das 7h às 9h das manhãs. O lançamento ocorria no dia 11 de junho. Jornalista e apresentadora de TV, vinha mantendo coluna diária no Jornal do Commercio, depois de passagem pelo JB.


quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Ouvindo as ondas

DE MUDANÇAS NOS MINUTOS
Das emissoras do Rio dedicadas exclusivamente a notícias nossa referência recai, há alguns anos, na Bandnews – onde pontificam o Ricardo Boechat, Mário Dias Ferreira, Carla Brigato. Valioso na CBN, o beneplácito do pioneirismo.

O ‘em vinte minutos tudo pode mudar’, da Bandnews é, sem qualquer dúvida, uma sacada criativa, inteligente. (Lembra frase atribuída a um mito do rádio esportivo que, em diversos momentos repetia: ‘A vida muda de minuto a minuto’.)

Ora, pois pois – como dizia saudosa amiga, dona de um restaurante em Niterói. É isso. Baseado naquela assertiva (da Bandnews, claro) reservamos vinte minutos triplicados, para analisarmos o que apresentam Mania, O Dia e a Fanática.

Na quarta (20), entre 13h50 e 14h55, nos entregamos a essa tarefa. O playlist musical delas é parecido, com o predomínio do pagodinho (também chamado de samba romântico), visceralmente o oposto do cultuado samba de raiz.

Não faltam na seleção, o funk e o sertanejo universitário. O primeiro, no entender de agentes culturais interessados, uma manifestação marcadamente popular, isto é, ‘a música do povo’. O outro, não menos, com diferentes defensores.

GIRO DOS PONTEIROS...
o. Bordões, bem feitos ou não, ‘grudam’ na mente de quem sintoniza uma rádio. Naquele período, a Mania rodou três músicas, intermediadas por comerciais para a distribuição de ingressos de shows e brindes para festejos natalinos.

o. A equipe de promoções estava postada numa rua de Madureira. No estúdio, Jairo Roberto, com passagens por FMs melhores abonadas. Refrão de um samba tocado na playlist: “Não quero nem saber/Quero amar você...” (Quanta poesia!)

PONTEIROS II...
o. Na O Dia, o horário era de um comunicador com simplória denominação... Orelinha. Ele recebia um cantor (e compositor) com nome de um pássaro – Tiê. Saudação do locutor ao apresentar o moço: “Você tem composições incríveis”.

o. Criado em São João de Meriti, na Baixada, segundo o próprio, o jovem revelou que deve à mãe, a adoção do nome artístico, pelo fato de viver sempre cantando. Ela o apelidou. Nos intervalos da entrevista, tocadas duas produções dele.

PONTEIROS III
o. Mais jovem estação carioca, Fanática foi inaugurada em junho do ano passado. Sediada em São Gonçalo, tem estúdios na Barra da Tijuca. “Amanhã já é verão. Faltam cinco dias para o Natal” -- advertia André Ricardo, o apresentador.

o. Rodou três pagodinhos e um funk e, ao anunciar o prefixo afirmou sem o menor constrangimento, caprichando na entonação que, ‘a Fanática é a melhor rádio do planeta’ (ops!) Não é à toa, certamente, que utiliza o bordão “Louca por Você”.

COMPANHIA DOS INSONES
Um dos ex-globais que aterrissaram na Tupi este ano, Alexandre Ferreira faz a madrugada, de meia-noite às 2h. Dá nome ao horário, que pertenceu por mais de uma década, ao Fernando Sérgio, dispensado no começo da temporada.

Dentre as atrações do programa -- o n° 1 da grade-- segundo as chamadas, estão “A Música de Sua Vida” e “Passarela do Amor”. Contam, apesar do avançado da hora, com muita interatividade, seguidores insones, naturais fãs do radialista.

A sexóloga Sandra Batista, figura onipresente em programas da rádio, participa desse cartaz. Na terça (19), ao iniciar a audição, Alexandre disse que a presença dela ocorreria no final, ‘quando as crianças estiverem dormindo’. Um brincalhão.

O quadro em que o ouvinte escolhe músicas de suas melhores lembranças, existe aos montes nas populares, de grande ou pequeno investimento. Unir pessoas que vivem solitárias, a função do outro. Collid Filho, antecessor, era mestre no tema.
_______
HORAFINAL.COM
Levantamento do penúltimo trimestre do ano (julho/agosto/setembro) sobre as FMs indica O Dia na 2ª posição em audiência no Rio, Mania na 7ª, sendo a 9ª colocada a novata Fanática, na frente da Bandnews, 10a. Fonte:Site Tudo Rádio.




sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Rádiomania, o Livro/29

AS FASES DO HAROLDO (D-1)
Perto de começar os anos 70, surgia a grande chance de um paranaense de Curitiba impulsionar uma carreira no rádio do Rio de Janeiro. Haroldo de Andrade ficaria conhecido em todo o país, consolidando seu nome entre os mais importantes do veículo. Depois de uma experiência na Rádio Nacional, Haroldo alcançara sucesso na modesta Mauá, onde lançara, ao entardecer, o “Musifone – Sua Preferência Musical Pelo Telefone”. Dali para a Globo, não demorou. Fez, em parceria com Roberto Muniz, de 5h às 9h, o “Alvorada Carioca”.

O maior cartaz da época era o “Programa Luiz de Carvalho”, uma espécie de coqueluche na Rádio Globo. ‘Saúde, paz e amor’, o slogan do radialista, fazia eco em todos os lares, admirado (e cultuado) por uma enorme legião de ouvintes. Luiz de Carvalho (*), um dos fundadores da Globo, viveu na emissora os seus melhores dias – uma fase de glórias. Ao lado de Luiz Mendes e Daysi Lúcidi, animara inicialmente, o “Chá das Três”, memorável show de variedades. Luiz de Carvalho dominaria as manhãs da emissora por muitos anos.

Mas, resolvera deixar o prefixo. Segundo depoimento do Hélio Thys numa série sobre o rádio no Brasil veiculada pela TV Educativa, Luiz trocara a Globo pela Tupi por causa de uma irrisória vantagem salarial. Com a saída dele, Haroldo de Andrade passou a ocupar o espaço, para quem Thys criaria o “Bom Dia”, crônica de costumes, na qual o apresentador nortearia o seu conceito.

Muito tempo depois, Luiz e Haroldo, companheiros na rádio dos Marinho, voltariam a se encontrar num mesmo prefixo. Isso acontecera na Bandeirantes, originalmente Guanabara. Era 1982, e aquela rádio se transformaria num suposto eldorado, escorada no slogan de estar 'um passo à frente da comunicação’. Com isso, acabara atraindo profissionais consagrados para as suas fileiras. Paulo Lopes, que estava na Tupi, e Carlos Bianchini, na Globo,foram pra lá.

Em poucos meses, debandada geral e, todos retornaram a seus endereços anteriores. O som da Bandeirantes era ruim, os equipamentos prometidos não chegavam, e nem sequer de viaturas decentes necessárias para os serviços externos a emissora dispunha. Mesmo assim, Luiz de Carvalho ficou, sendo o único dos famosos que não reagira.Depois que saíra da Tupi, envolvido num caso rumoroso, passaria pela Clube do Brasil, Imprensa FM e Federal, de Niterói.

Haroldo de Andrade retomara seu lugar na Globo, robustecido pelo alerta que lhe fizera o compenetrado Hélio Thys, de que a transferência para a outra emissora mais lhe parecia uma aventura. Thys havia sido convidado para também mudar-se para a Bandeirantes, o que educadamente recusara. Nos quatro meses em que Haroldo estivera fora, Roberto Figueiredo assumira o tradicional horário.

(*) Luiz de Carvalho morreu de pneumonia, no ostracismo, dia 9 de junho de 2008, com 89 anos.Aposentado, até 2004 ainda permanecera em atividades.

MEMÓRIA-2006
Âncora do principal noticioso da Nacional, a partir de sua revitalização, a jornalista Neise Marçal se desligava da emissora em janeiro. E o músico Henrique Cazes, apresentador novato parava com um programa de choro nos fins de semana.

Adriana França e Rui Fernando, com mais de vinte anos de casa, lideravam a lista de cortes no SGR no começo do ano. Também saíam os locutores Ulisses Costa e Osvaldo Maciel e o repórter Márcio Spípolo, do esporte em SP.

Em março, “Planeta Rei” com Beto Brito passava a ser uma raridade musical na Globo. Ocupava o horário de meia-noite às 2h, de segunda a sábado, antecedendo o “Madrugada Globo Brasil”, pilotado pelo Francisco Carioca.

Seis meses depois de inaugurada, s Rádio Haroldo de Andrade registrava a primeira dissidência -- Ivo Meirelles, sambista e compositor, que fazia um programa à tarde. A rádio ganhava, porém, um produtor de peso, Roulien Silva.





quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Ouvindo as ondas

MINISTRO: ATRASADOS ATÉ DIA 20
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deu entrevista ao Antônio Carlos da Rádio Tupi nesta quarta-feira (13). Assegurou que até o próximo dia 20, os funcionários estaduais do Rio estarão recebendo os salários devidos.

A entrevista, por telefone, ocorreu no quadro “Vamos Acordar”. Sobre a necessidade de se fazer a reforma da Previdência, mencionou o caso da Grécia, na Europa, que foi obrigada a cortar os vencimentos da aposentadoria.

“Conseguimos tirar o Brasil da maior recessão da sua história”, afirmou, acentuando: “O Brasil já voltou a crescer”. Indagado pelo radialista se sairá mesmo candidato a presidente, revelou que vai decidir em março, ou em abril.

DEVAGAR, NA COLA
Muita marola em maré rasa. Foi assim que ‘vimos’ a estreia de Isabele Benito na Tupi, na segunda-feira (11). Num programa com duração de uma hora as informações e o ‘divertimento’ perderam disparado para os comerciais.

o. Foram nada menos que dezesseis, sem contar as duas entradas do “Sentinelas Aéreo” (patrocinado), com a repórter Marina Heizer. Pelo que se observa, a Tupi entra, como não quer nada, na onda em que ‘surfa’ a sua antiga concorrente.

o. Isabele declarou na abertura que ‘minha marca é a verdade, jornalismo na veia’ e, que começara no rádio há 17 anos, em São Paulo. Dos quadros que anunciara, o de mais apelo (“Dedo na Cara”) é coisa tipicamente para a televisão.

o. Depois dos agradecimentos aos diretores que a contrataram, ela saudou o filho, e recebeu cumprimentos da mãe e do marido. De acordo com a música de uma vinheta (‘O rádio família é coisa nossa...’), mais família impossível.

o. Nada contra, de nossa parte, que emissora popular requisite uma profissional com o mesmo viés – polêmica, inclusive. Isabele, todavia, é bem limitada locutora, engessada em expressões batidas, como aquela ‘daqui a pouquinho".

o. Voltemos, por ora, à tese recorrente. Da cabeça de juízes, diretores de rádio e bumbuns de nenéns, só se pode esperar surpresas. Seria, além de coerente e muito prático, a direção da Tupi duplicar o horário do Francisco Barbosa.

REVIVENDO CLARA
Iniciada em 22 de novembro, encerrou nesta quarta a série de entrevistas com a cantora Clara Nunes (1942-1983) à antiga Rádio Jornal do Brasil, reproduzida no “Rádio Faz História”, etapa do “Todas as Vozes”, do Marcus Aurélio, na MEC.

A montagem reúne trechos do “Noturno” e “Especial JB”, apresentados por Simon Khoury, Ney Hamilton e Luiz Carlos Saroldi na extinta emissora. Trabalho do goiano Paulo Francisco, colecionador de áudios e colaborador do Marcus.

Descoberta pelo radialista Adelzon Alves, Clara, uma intérprete de boleros nexicanos vertidos para o português, virou sambista. Ao exaltar a Portela num carnaval, se tornaria estrela da agremiação e, particularmente, da MPB.
_________
HORAFINAL.COM
Num Maracanã lotado o Flamengo ficou na vice-liderança da Copa Sul-Americana ao empatar em 1 a 1 com o Independiente da Argentina, embora tivesse jogado melhor. Resultado frustrante para a torcida, segundo afirmou Bruno Azevedo.

HORAFINAL DOIS
O comentarista da Transamérica frisou que o time repetiu os erros de outras competições – a Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão. Assinalou, ainda, que Éverton, aposta de Rueda, decepcionou, não acertando uma jogada.



sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Rádiomania, o Livro/28

ASCENÇÃO E OSTRACISMO (C-5)
Era tanta a repercussão do programa, que conseguia atrair nomes internacionais em visita ao Brasil.Ives Montand, Josephine Baker, Gregório Barrios, Lucho Gatica, Pedro Vargas e Trio Los Panchos, entre outros. Mito, lenda, fenômeno. Os adjetivos não faltavam para as pessoas definirem as qualidades do radialista. Seu poder de comunicação contagiava e, ao comemorar dez anos do programa, em 1955, reuniria cerca de 25 mil espectadores no Ginásio do Maracanãzinho.

Fora também pioneiro nesse tipo de promoção. Seguiram-se numerosos shows em estádios de futebol em diversos pontos do país. A crise institucional que resultaria na Revolução de Março de 1964 deixaria César de Alencar numa posição insustentável. O destino colocava à sua frente uma escada reversiva, diferente da que o havia conduzido pelos degraus do sucesso. Dos dias gloriosos vividos, ele iniciava (sem volta aparente) um mergulho no ostracismo.

Emissora controlada pelo governo federal, a Nacional sofreria intervenção dos militares e o animador seria acusado de ‘dedurar’ colegas como integrantes da esquerda festiva. Segundo o jornalista Borelli Filho, “os caçadores de comunistas” davam uma taça de ouro a quem denunciasse “os comedores de criancinhas”. Houve uma “caça às bruxas” e os punidos jamais perdoariam o César, embora nenhuma prova real fosse apresentada no decorrer das investigações.

Borelli, que dirigiu a “Revista do Rádio” nos anos dourados revelaria, em artigo no jornal “Última Hora “, dias depois da morte dele:
— Pessoalmente, acho que tem uma imensa dose de folclore nessa história. César poderia ser diretor da emissora, pelo muito que fazia por lá. E, se nomeado, certamente iria realizar coisas fabulosas, porque era competente e possuía as melhores condições para manter a PRE-8 na fase áurea de Vítor Costa. Houve, por certo, um jogo político e ele acabou herdando as sobras.

Enquanto baixava a poeira pela suspeita do seu envolvimento com os militares, César se afastou do rádio. Nesse intervalo fez uma viagem ao exterior, e em 1970 lançava-se na televisão. Trabalhou na Excelsior, que trocaria pela Rio, apresentava-se simultaneamente na Record, em São Paulo e na Itapoã, em Salvador. Reapareceria no rádio em 1975, através da modesta Federal, de Niterói, do sanfoneiro e compositor Antenógenes Silva. Ali, daria dimensão a um dos quadrinhos que classificava de inter-programas – “As Virgens do César”.

O passo seguinte seria em 1976 na Rádio Tupi, onde assinaria um contrato relâmpago -- um programa semanal de apenas uma hora. E, chegou o dia em que retornaria ao prefixo tradicional, em 1978. Fazia o programa do estúdio nas manhãs de sábado, no esquema ‘vitrolão’, que tanto condenava. Mudaria para o domingo, quando criaria a “Turma da Comunicação”, cuja finalidade era estabelecer um elo entre antigos ouvintes, que se reuniam em festas de confraternização (casamentos, aniversários, batizados, trocas de informações por telefone.) O “Domingolão” ia das 8h da manhã a 1h da tarde.Terminaria em 1986.

Ele voltaria para os sábados, depois de uma breve ausência, por enfermidade. (Desta vez, o programa era gravado na véspera.) Em 1985 tivera enfisema pulmonar, mais tarde crise de gastroenterite e, nos últimos anos sofria de osteoporose, que o obrigava a consumir remédios caríssimos, importados da Suíça.Criaria o “Rádio Céu”, materializado por Márcio de Souza, um dos produtores que atuaria com ele na fase crítica. O “Rádio Céu”, editado periodicamente, só apresentava gravações de artistas falecidos. O outro produtor nessa etapa foi o jornalista Jonas Vieira, que se tornaria biógrafo do animador.

Entre mudanças distintas, César de Alencar ainda seria assistente de direção do Sistema Radiobrás e, por fim, promovido a gerente de programação da Nacional FM, que ele transformaria num reduto de boa música brasileira. A venda da concessão para a iniciativa particular em 1988(que passaria a chamar-se RPC) o deixaria bastante magoado,segundo os que privavam de sua companhia.

MEMÓRIA-2005
O multimídia Nelson Motta (jornalista, compositor, produtor e escritor) estreava em outubro na Paradiso FM. “Sintonia Fina”, programa que ele apresentava semanalmente na Globo FM (foi para a Sky), passou a diário na nova casa.

Cinco anos afastado do rádio depois de desligar-se da El Shadai, Alberto Brizola retornava através da Roquette Pinto FM. Comandava o “Programa da Tarde”, a partir da uma hora, ocorrendo o registro da novidade também em outubro.

E, ainda naquele mês, a Tupi modificava a sua grade aos domingos. Esticava os horários do Garcia Duarte e do Heleno Rotai – aquele das 4 às 8h, este das 8 ao meio-dia, dando folga ao Pedro Augusto e ao Luiz de França (1946-2017).




quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Ouvindo as ondas

O MELHOR DE CADA UM
Elogio em boca própria é vitupério, segundo os mais vividos. Você quer saber? Está no Caldas Aulete, Larousse, Aurélio e outros. Na 102,9 proclamam diariamente ser a “Rádio Mania, a melhor do Brasil”, insinuante afirmativa.

Só se for para o público da classe D, consumidor das canções que fazem parte do repertório de um Pique Novo, ImaginaSamba, Thiaguinho e congêneres. Convencer é uma das finalidades do marketing, no caso, do ‘efeito-camarão’.

A malandragem no linguajar do sambista é sinônimo de vivacidade. Na história recente, uma página cantada por Zeca Pagodinho dá o alerta: "Camarão que dorme, a onda leva". Os marqueteiros aproveitam as brechas do discernimento.

BEM POPULAR
Há seis meses (e depois de três décadas) Antônio Carlos voltava às suas origens, a Tupi. A tiracolo, Aldenora Santos, que formara dupla com Carlos Hamilton na primeira versão do programa e, além dela, fiéis colaboradores dos últimos anos.

Campello (o ouvidor), Zora (astróloga), Juçara (colunista de celebridades), Karla (destaques do dia) e, ainda, Mário Aguiar, sonoplasta, todos ‘oriundis’ da Glória. Conforme expressão de um narrador esportivo, ‘tem que respeitar’ o vigor do AC.

A pontuação no Ibope ‘segura’ o venerando. Por isso mesmo, ele repete nas manhãs que "vamos fazer um excelente programa de rádio”. Um dos trunfos, distribuir ‘vale no valor’ de 200 reais do supermercado G para as contempladas.

Manter um programa diário por tanto tempo em cartaz representa, inegavelmente, uma heróica façanha. O feito se torna mais impactante, pelo sucesso que AC desfruta junto ao público, que não ‘tá’ nem aí’ pela inexistência de renovação.

DESIGUALDADE
Na Transamérica-Rio,emissora dedicada à música pop, há espaço (pequeno, diga-se) para o esporte. A equipe, atualmente na ‘conta do chá’, reúne jovens profissionais de reconhecidas qualidades, uma geração de batalhadores.

Um quarteto – locutor, comentarista, repórter e plantonista – integra o grupo. Idealizado pela matriz em São Paulo, o bordão apregoa: “Transamérica, a melhor do futebol”. Pela estrutura da paulista, se justifica. Na do Rio, é som de piada.

Quando os bravos subalternos do Eder Luiz utilizam-se das palavras-chaves que o mestre determina, nem os adolescentes na sintonia, acreditam. Entre a vibração de um gol ou lance emocionante, a pergunta:“Enganando a quem, cara pálida?”

A RODA, A VIDA
o. No impedimento do Garotinho 2, a Tupi ampliou em 30 minutos o programa do Clóvis Monteiro, agora das 8h às 10h. Luiz Felipe de Mello, produtor do radialista-político (sob custódia da Justiça) é o novo integrante da bancada do Clóvis.

o. Durou de 10 ao dia 24 último a greve dos funcionários da EBC. Reclamavam do congelamento dos salários e da ameaça de perder benefícios. No período, programas ao vivo utilizaram o Plano B, gravados. Os demais, piloto automático.

o. Com a lembrança de um clássico de Chico Buarque, em background, ilustramos as notas acima. “Roda vida, roda gigante/Roda moinho, roda pião/A vida virou num instante/Na roda do meu coração”. Mundo gira, a fila anda.

_______
HORAFINAL.COM
Isabela Benito, do SBT, será a partir de segunda-feira (11), apresentadora da Tupi. Vai ocupar o horário do provisório “Super Manhã’, das 10h às 11h. Anunciada pelo Cristiano Santos, que a classificou como “presente de Natal”.

HORAFINAL DOIS
A Mania FM comemorou aniversário no domingo (3). Duplamente festejado. No Espaço Cultural Porto da Pedra, em São Gonçalo, e na Estação Primeira de Mangueira, Rio. Artistas populares presentes. Informes do site Tudo Rádio.

HORAFINAL TRÊS
E, a gloriosa emissora da Rua do Russel, hein? Na pré-mudança de endereço ‘esqueceu’ de uma tradicional comemoração. O 73° aniversário passou em ‘brancas nuvens’. Culpada foi a crise. Data quebrada não tem mais sentido.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Rádiomania, o Livro/27

ASCENSÃO E OSTRACISMO (C-4)
A sua irreverência se refletia nas letras de algumas dessas músicas, compostas especialmente para ele. Foram, por exemplos, “Há Sinceridade Nisso?”, de Manezinho Araújo, “Namoro no Portão”, de Luís Bittencourt, e “O que é Isto?”, de Abelardo (Chacrinha) Barbosa e Nestor de Holanda. Num dos carnavais de que participava, gravou “As Mal-Amadas”, de Luiz Antônio, que retratava as mulheres excessivamente sonhadoras, na iminência de ficarem ‘pra titias’.

As Mal-Amadas
São as grandes mulheres
Posso provar
Se tu quiseres
As Mal-Amadas (bis, bis...)

Carinho, amor e ternura
A mal-amada não conheceu
Mas tem confiança na jura
Daquele que o peito elegeu...

A dupla Haroldo Lobo-Milton de Oliveira escreveu para ele, num desses carnavais, “No Japão é Assim”, uma sátira à semelhança física entre as mulheres daquele país, também gravada por Jorge Veiga. Dizia:

No Japão é que é bom
Japonês não passa mal
Não há mulher bonita
Nem feia, é tudo igual
No Japão (bis, bis...)

Não há lourinha
Não há, não há, não há
Morena nem pretinha
Ou mulata sarará

Lá não se briga
Por causa de mulher
Quem perde a sua
Apanha a que quiser...

Em outro carnaval a dupla dava ainda, para o César gravar, “Coitado do Abdalla”, satirizando a peregrinação de vendedores-ambulantes de bugigangas:

Rala, rala, rala
Coitado do Abdalla
Rala, rala, rala (bis, bis...)

Sobe e desce morro
Carregando a sua mala
Chega o fim do mês
Ninguém paga o Abdalla...

Pra comprar fiado
Todo mundo quer comprar
Mas no fim do mês
Como é duro de cobrar...


E, tinha uma do Carvalinho – “Cossaco”. A primeira parte afirmava:

Se o cossaco, enche o saco
Que buraco, que buraco
Afinal é muito feio
Ter mais um cossaco cheio

Mas, irreverência não fora tudo na vida do artista. Ele reservara momentos para as músicas sérias, dois clássicos pelo menos: “Dorinha, Meu Amor”, de José Francisco de Freitas, criação de Mário Reis nos anos 30 e, também desse mesmo tempo, “Os Quindins de Yayá”, de Ary Barroso (gravou com Emilinha Borba), originalmente lançada por Carmem Miranda e Almirante.

Pelo programa do César desfilavam os grandes nomes da música popular, cartazes que disputavam o espaço, uma vez que o longo show dos vesperais dos sábados tinha o valor de um passaporte para a fama. Artistas formados em outras praças deixavam suas cidades para apresentações ali.

Isso acontecia com Luiz Bandeira (que saíra do Recife) e Luiz Cláudio (Belo Horizonte), um com nome feito na Rádio Jornal do Commercio, o outro com carreira luminosa na Inconfidência. Isaurinha Garcia, famosa em São Paulo, foi a primeira estrela da Paulicéia a se exibir no mesmo programa.

Até então, quem se destacava na ‘terra da garoa’ não tinha vez no Rio de Janeiro. Esther de Abreu, cantora portuguesa que nos anos 50 desembarcara na Cidade Maravilhosa para cumprir temporada no Copacabana Palace, resolvera fixar residência na Zona Sul do Rio, depois de muito sucesso naquelas audições comandadas pelo animador, que era proclamado o ‘Rei dos Auditórios’.

MEMÓRIA-2005
O “Novelas na Tarde”, que David Rangel lançara em maio na Globo, com Domício Costa, Aldenora Santos, Selma Lopes, Duda Spinoza e Vânia Rocha, não emplacara. Saía do ar na volta das férias do apresentador, no fim do ano.

Ainda naquela emissora, mas em julho, o “Enquanto a Bola não Rola” mudava de comando. Eraldo Leite substituía o Ronaldo Castro, que ficara entre os debatedores e, mais requisitado como terceira opção de comentarista.

A máxima do Chacrinha -- 'na TV e no rádio (...) tudo se copia’-- continuava persistindo. O “Encontro com a Notícia”, do Marcos Gomes, na Roquette Pinto, era reedição do “Encontro com a Imprensa”, do Sidney Rezende, na JB AM.

O jornalista Tárcio Santos também ingressava na Roquette, participando de um esportivo nos fins de tarde. Demitido da Nacional depois da revitalização, fora, entre outras coisas, editor do lendário “Repórter Esso”, fase derradeira.



quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Rádiomania, o Livro/26

ASCENÇÃO E OSTRACISMO (C-3)
O quadro que teve mais duração, entre a fase áurea e o ostracismo do César de Alencar, foi “Parada dos Maiorais”. Com ele, ficou assinalado um recorde no rádio, qual seja, a permanência por 40 anos de um mesmo patrocinador – Pastilhas Valda. É bem verdade que o “Parada dos Maiorais” dos últimos anos em nada parecia com o brilho daquele apresentado na década de 50, quando, em meio ao alarido do auditório, o animador apregoava: “E, atenção! Todos em continência. Está no ar o big show musical... “Parada dos Maiorais Valda”. E, o “Parada” foi sumindo, sumindo, assim como a euforia em torno do ‘êmulo do microfone’, segundo definição de Mister Eco ( jornalista Thor de Carvalho).

“Essa canção nasceu pra quem quiser cantar/Canta você, cantamos nós até cansar/É só bater e decorar/Pra memorar vou repetir o seu refrão/Prepare a mão, bate outra vez/Esse programa pertence a vocês...” (A letra, simples, era prefixo e sufixo do programa, uma canção americana adaptada por Haroldo Barbosa, e gravada pelo grupo vocal Quatro Ases e um Coringa. Quando a música descia, César, já no palco, saudava o auditório, sempre lotado, com um indefectível “Alô, alô, alô!” E vinham as frases que marcavam a abertura.

“No ar o Programa César de Alencar!... Seus prêmios, suas atrações, suas brincadeiras e a participação sempre simpática do auditório, sem a qual não poderíamos realizar nem a metade do nosso programa. Que o de hoje seja do seu inteiro agrado. São os nossos votos”. (Ele emendava). “E vamos ao que vende...” Sua ‘deixa’ para os comerciais, feitos ao vivo por uma dupla de locutores, primeiro William Mendonça e Meira Fiolho e, em outro período, Moacir Lopes e Marcos Durães. O programa ia das 3 horas da tarde às 7 horas da noite. Idealizado pelo animador, tinha a produção de Haroldo Barbosa, numa fase, depois Hélio do Soveral, que trabalhou com o César 15 anos. Quando a televisão deslanchava e começava a atropelar o rádio, o produtor era Fernando Lobo.

Um dos mitos da época da cultura de massa, o radialista viu seu nome consagrado nos auditórios e também proclamado pelas marchinhas de carnaval, a mais famosa delas, de autoria de Miguel Gustavo, um bem-sucedido produtor de jingles. A gravação, lançada em 1957 pelo palhaço Carequinha, foi um grande sucesso em disco, coisa que ele não conseguiria repetir em nenhum de seus lançamentos posteriores como cantor. Dizia a composição:
“Ela fã da Emilinha/Não sai do César de Alencar/Grita o nome do Cauby/E depois de desmaiar/Pega a Revista do Rádio/E começa a se abanar...”

O radialista aproveitava o seu imenso prestígio para outras investidas. Dotado de sensibilidade, gravaria vários discos como cantor, alguns para o chamado ‘meio-de-ano’, e outros para o carnaval, de que era um dos maiores incentivadores. No seu repertório foram incluídos sambas, sambas-choros, maxixes, baiões e, principalmente marchinhas, bem ao gosto do público. Nas músicas de ‘meio-de-ano’, poucas vezes ele aparecia sozinho. O número relativo de gravações que fez foi em dupla com Marlene, Emilinha Borba e Heleninha Costa.

MEMÓRIA-2005
A 1440, que se chamara AM O Dia e, depois Rádio Rio, era rebatizada no limiar do ano como Rádio Livre. Sublocava horários, como a Carioca e Bandeirantes.

O “Boa Tarde Globo”, com Francisco Barbosa, sofria modificações a partir de segunda-feira, 17 de janeiro. Novos quadros ampliavam a participação do público.

Retirado do ar durante as obras de revitalização da Nacional, “No Mundo da Bola” ressurgia. Formava com o “Patrulha da Cidade”, da Tupi, os dois mais antigos.

A parceria ONG Viva Rio com o Sistema Globo chegava ao fim em março, depois de dois anos. Parava de operar a rádio homônima, que atendia à comunidade.


quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Ouvindo as ondas

OS (DES)AJUSTES NA GRADE
Os sábados na Tupi são dias de recompensa para o Clóvis Monteiro e Francisco Barbosa. Eles recuperam as horas que lhes foram tiradas em maio, para que se acomodassem os novos contratados – Antônio Carlos e o Garotinho nº 2.

Com isso, aquela correria que “o motivador do Brasil” anda fazendo no seu programa diário tem um ‘refresco’. Há tempo para a apresentação de quadros habituais sem atropelo. No dia 11, porém, tais vantagens de nada valeram.

PISADA DE BOLA
Baixou o nível. O Clóvis (quem diria!) pisou feio na bola do mau gosto, com uma ‘aula’ indigna do homem que discorre sobre ‘o Poder da Comunicação”. Parecia um ‘craque’ entrando no Maracanã pela primeira vez.Explicamos em seguida.

Disse ele textualmente: “As mulheres que quiserem ir para o motel com o Cyro Neves, eu pago” (sic). Num programa sério, registrando boa audiência, um profissional categorizado se expressar assim, é muito mais do que lamentável.

Estaria ele querendo trocar de posto com o Mário Belizário na “Patrulha da Cidade”, ou igualar-se ao “romeiro de Aparecida” na sua porção-comentarista de acontecimentos grotescos, contraponto à fidelidade de anciãs religiosas?

Repetir que o país está em crise econômica e os veículos, idem – é o mesmo que chover no molhado. A observação remonta ao espantoso número de radialistas sem emprego a partir de 2015. ‘A grande voz do Rio’ surtou naquele dia.

COM ESPÍRITAS
Voltada para um público muito especial, praticantes da doutrina de Alan Kardec, a Rádio Rio de Janeiro é uma das menores audiência na Capital e interior, segundo pesquisas do Ibope. Duas vozes, porém, destacam-se entre os anunciadores.

São elas, do Luiz Nascimento (com passagens pela JB AM, Tupi e Globo alternadamente) e o Cláudio Ferreira, de longa quilometragem pelos prefixos cariocas. Na sua trajetória, Tropical, Roquete Pinto, Manchete e Rádio Livre.

Administrada pela Federação Espírita do Estado, a rádio tem ouvintes cativos. Embora pequeno, o índice de sintonizadores não chega a ser ruim. Seu grande problema é atrair anunciantes. A sobrevivência deve-se às doações dos fiéis.
_______
HORAFINAL.COM
“O mundo é dos espertos”, declarou Renato Gaúcho à Nacional sobre os drones nos treinos do Lanús. O locutor André Luiz Mendes rebateu, comentando: “Têm muitos espertos na cadeia”. O mundo, ele frisou, é dos inteligentes e honestos.

HORAFINAL DOIS
Quem ouvia jogos de futebol na Transamérica-Rio entre 2012 e 2014, certamente se lembra do Alexandre Chalita. Era um dos titulares da equipe. Sobrou com a mudança de comando. Chalita, hoje, está na Rádio Mania. É o principal nome.


sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Rádiomania, o Livro/25

ASCENÇÃO E OSTRACISMO (C-2)
Foram muitos os slogans que César de Alencar criou para os artistas da época. Emilinha Borba, a estrela maior, ‘a minha, a sua, a nossa favorita’; sua rival Marlene, ‘ela que canta e samba diferente’. Blecaute (no registro civil, Otávio Henrique de Oliveira), que se notabilizara cantando músicas de carnaval – “Pedreiro Valdemar”, “Maria Candelária”, “Maria Escandalosa” e muitas outras – virou o ‘General da Banda’, depois de estrondoso sucesso com a batucada do mesmo nome. Também cantor de ‘meio-de-ano’, César de Alencar assim o anunciava: “Monsieur Otávio Henrique du Blecaute”!... Ele se trajava com a elegância de fazer inveja a um príncipe de Gales.

Jorge Veiga, ‘o caricaturista do samba’, foi batizado por Paulo Gracindo, não pelo César, conforme já se publicou equivocadamente. As suas apresentações no programa do “Cavalete” eram tão constantes, que alguns atribuíam ao César de Alencar, a autoria do slogan. Jorge Veiga, que o animador anunciava “Vemveiga”, devido à sua voz fanhosa, detinha o título de aviador honorário e, em suas participações, saudava a categoria: “Alô, alô aviadores que cruzam os céus do Brasil. Aqui fala Jorge Veiga diretamente da Rádio Nacional. Senhores comandantes, queiram dar os seus prefixos para guia e segurança de nossas aeronaves. E, boa viagem!”

Déo, um cantor muito conceituado, tinha por slogan, ‘três letras que formam o sucesso’; e João Dias (herdeiro musical de Francisco Alves) – ‘o cantor dos 400 quilômetros’, pelo fato de viajar todos os sábados de São Paulo, onde era contratado da Record, especialmente para se apresentar no programa do radialista. A cantora Olivinha Carvalho, que se dedicava à música portuguesa, também era atração permanente daquelas tardes. César a anunciava como ‘a brasileira de repertório luso’; Ademilde Fonseca ele chamava de “Lolomilde”, por sua semelhança, em matéria de busto, com Gina Lolobrígida, estrela do cinema italiano. Já o Francisco Carlos, muito cortejado pelas fãzocas, era “El Broto”; Bob Nelson, que se vestia à moda dos vaqueiros americanos, cantando músicas típicas, ‘o caubói brasileiro’; Ruy Rey, especialista em boleros, chamado sempre: “de las Américas para o Brasil...’

A par de sua criatividade, um dos méritos do César fora a organização do seu programa. Isso representava um verdadeiro marco no rádio, coisa com que ninguém se preocupava até então. De um modo geral, os programas iam para o ar na base da improvisação, sem uma ordem pré-determinada. Ele, no entanto, sabia improvisar diante de qualquer situação e, em tempo algum se limitava ao script. Criava quadros que apresentava de uma ordem seqüencial e, intermediando cada um, com duração de 25 minutos, mostrava os de cinco apenas, classificados de interprogramas.

Alguns desses quadros eram “O Sucesso de Amanhâ”, “O Cartaz da Semana”, “O Carnaval que eu não Brinquei”, “Campeonato Internacional de Música Popular”, “Campeonato de Cantores Novos”, “A Melhor de Três”, “Rádio Revista Lever” e “Qual é a Música” – este, muitos anos depois copiado por Sílvio Santos, que se apossou não só do título, mas também de sua estrutura, adaptando-o para a linguagem televisiva. O menos ruim nessa história, é que certa vez, na presença de um grupo de artistas renomados, Sílvio se confessara um incondicional admirador do radialista. E essa admiração, segundo ele, vinha do tempo em que atuara na emissora da Praça Mauá.

MEMÓRIA-2004
Próxima de celebrar um ano de sua nova programação vespertina, a Globo investia em outro projeto. Lançava em 3 de maio, uma segunda-feira, o Globomóvel, pilotado pelo comunicador Francisco Carioca.
.
Em agosto, dia 16, Luiz Nascimento retornava à emissora dos Marinho, nas edições matinais dos noticiários de "O Globo no Ar", aapresentados nas chamadas horas cheias. Substituía o Carlos Bianchini, que tinha voltado em 2003.

E, no dia 23 daquele mês, José Carlos Cataldi, que havia trocado a CBN pela Nacional, onde atuava como apresentador e diretor, era demitido. Sua alternativa foi mudar-se para a emergente AM 1440, comandando o “Nação Brasil”.


sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Ouvindo as ondas

NO DESMONTE, A MUDANÇA
O que em maioria era popular a Globo desmontou. Ao adotar uma plástica diferente escorando-se em astros televisivos, mudou de gênero. Perdeu mais audiência do que ganhou. Recente pesquisa diz ser ela a 6ª entre as FMs no Rio.

Como parte dessa desmontagem, a empresa demitiu no início de outubro (dia 9), o comunicador David Rangel, um dos últimos remanescentes da ‘Velha’. Estava fazendo na batizada Nova Rádio o ‘Sambadasso’, aos sábados, das 11 ás 13h.

Do mesmo nível profissional resta somente o Roberto Canázio, aos domingos com a “Revista da Rádio Globo”, resumo das atrações apresentadas durante a semana. (Fica no ar a pergunta: Até quando vão garantir a permanência dele? )

Pouco depois da demissão do David, o SGR deu xeque-mate no Fernando Molica, âncora do “CBN Rio”, e dispensou ainda, o Júlio Lubianco, gerente de jornalismo. Pioneira no segmento, distancia-se da Bandnews, sua concorrente.

A crise econômica no país provocou a partir de abril de 2015 (dois anos e meio) baixas fenomenais nos setores de comunicação, sendo o veículo rádio o mais afetado. As duas mais importantes descartaram-se de valores reconhecidos.

À REBOQUE
E, na ‘nova Rádio Nacional’, o Rio foi positivamente colocado em plano secundário. Nunca antes a estatal funcionou em tão descarado regime de ‘chapa branca’. O jornalismo ali praticado atualmente, a maior prova desta situação.

No “Tarde Nacional’, por exemplo (das 13 às 17h), as informações em rede são apresentadas por Márcia Dias (de Brasília), Dáurea Gramático ( Rio) e Anchieta Filho (SP). As últimas e as regionais só entram acionadas pelos âncoras da base.

A MEC, braço da EBC no Rio deixou, recentemente, de ter jornalismo próprio. Por medida de economia, as notícias que ela transmite têm na vinheta a ‘assinatura’ da Nacional. A novata Alpha FM não esconde a parceria com a Bandenews.

ESVAZIAMENTO
Não foi só o jornalismo da EBC no Rio que sofreu cortes. O esportivo da Nacional também incursionou pela caminho do esvaziamento, reduzindo seu campo. A rádio parou de transmitir jogos do Brasileiro, caso do Botafogo e Corinthians.

Enquanto o marrador Ricardo Mazella dava plantão naquele dia, a emissora apresentava o “Sintonia Nacional’, um musical variado em rede. Diante de um monitor de TV nos estúdios da Gomes Freire, Lapa, ele relatava alguns lances.

REINTEGRAÇÃO
Da nova geração do rádio esportivo, Vinício Gama foi reintegrado à equipe da Tupi. Sua volta ocorreu na transmissão da partida entre o Botafogo e o Corinthians, pela 30ª rodada do Brasileiro. Integrou o pacote de junho em 2015.

Assim como outros valores da casa (incluindo o Jota Santiago, que retornou há um mês), Vinício esteve na Bradesco Esportes FM numa temporada curta. A rádio com nome de banco, que já tinha um prazo de validade, fechou em duas praças.

ARENA ENCOLHIDA
Com a desistência do parceiro comercial, a Transamérica FM (102,1) encolheu. Lá ficaram o narrador Bruno Cantarelli, comentarista Bruno Azevedo, e o repórter Lucas Machado. O seu “Arena...” tem agora mais músicas do que notícias.

Circurlaram rumores de que o Luiz Penido estaria insatisfeito com a condição que lhe impuseram na Globo e, na iminência de fechar com o Eder Luís seu ingresso na Transamérica. Ele desmentiu. O contrato com o SGR próximo de terminar.
_______

HORAFINAL.COM
Cinco meses depois de serem implantadas modificações radicais na sua emissora-matriz, o SGR mudou mais uma vez o gerente artístico. Jonas Villandez, que veio da BH FM assumiu na sexta (27) a coordenação no Rio e São Paulo.

HORAFINAL DOIS
Este mês a FM O Dia (vice líder em audiência) comemora 20 anos de fundação. Uma série de festividades celebrará o evento. A de mais impacto – anunciam -- será “A Maior Roda de Samba do Mundo”, na sexta (10), na União da Ilha.


sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Rádiomania, o Livro/24

ASCENÇÃO E OSTRACISMO (C-1)
Noite no Rio, 14 de janeiro de 1990. Morre de insuficiência respiratória no Hospital Geral da Lagoa, o radialista César de Alencar. Inconformados, os poucos amigos que ele ainda cultivava garantiriam que ele não morrera. Fora trabalhar na Rádio Céu, da qual recebera uma proposta irrecusável – ou melhor – se tornara dono da concessão, sem a necessidade de conchavo político. Ele passava a administrar essa imaginária rádio, da mesma forma que gerenciava a originalíssima “Turma da Comunicação”, passos iniciais da interatividade com o ouvinte.

Nascido na Rua Major Facundo, em Fortaleza, decantada capital do Ceará, César viera para o Rio muito cedo, aos quatro anos de idade. Segundo Aurélio de Andrade, um dos fundadores da Rádio Nacional, ele trabalhava como vendedor de material de construção quando se deu o encontro com Renato Murce, na época diretor artístico da Rádio Clube do Brasil. A emissora era uma alternativa para os ouvintes acostumados a sintonizarem Nacional, Mayrink Veiga e Tupi.

“Murce, um caçador de talentos, logo percebera no moço o potencial que o grande público viria um dia a conhecer, inclusive, idolatrar”, acentuava Aurélio. “Ele ficou vivamente impressionado com a voz e o desempenho do jovem que lhe fora oferecer dos produtos que vendia, e o convenceu a fazer um teste. Aprovado de imediato, César foi integrado ao cast da Rádio Clube. Ganhara um programa das 7 às 8 horas e um salário de 250 mil réis mensais. A performance dele era tão boa, que a direção dobrara seus vencimentos em pouco tempo”.

A entrada na Rádio Nacional, no entanto, só aconteceria seis anos depois de sua estreia no veículo – ainda revelaria Aurélio de Andrade no mesmo depoimento. Corria o ano de 1945, quando ele passou a dar nome ao programa que provocaria uma revolução na radiofonia brasileira. Antes de se tornar famoso, César apareceria em diversos horários da estação, como por exemplo, anunciar “Um Milhão de Melodias”, ao lado de Reinaldo Costa, ou fazer ‘ponte’ para Paulo Roberto, produtor e apresentador de “Gente que Brilha” e, animar a “Hora do Pato”, nas eventuais ausências de Jorge Curi, escalado para os jogos de futebol.

De espírito folgazão e muito criativo, César ironizava a si próprio pela orelha avantajada. Coadjuvantes nessa gozação, alguns de seus companheiros o chamavam de ‘Orelha’ (ou ‘Orelha de Abano’) e de ‘Cavalete’, por sua magreza. Ele, por sua vez, arranjava apelidos para todo mundo. O Afrânio Rodrigues era ‘Chão de Garagem’ ou ‘Glostora’, porque andava com os cabelos emplastados de brilhantina; Jorge Curi, homem grandalhão, ‘Engradado de Girafa’; Jair Lemos, de geração posterior, ‘Cara de Pedra’. Se algum conterrâneo se apresentava em seu programa, ele dizia que fulano veio “dos Estados Unidos do Ceará...”

MEMÓRIA-2003
Ana Davis lançava na Carioca em setembro, “Mundo Encantado”, às tardes. Mudava para a Bandeirantes em outubro, com “Rio a Mil por Hora”, nas manhãs..

Mais conhecido repórter policial do rádio, Alberto Brandão estreava na Tupi em 17 de novembro. Construíra carreira na Globo, de janeiro de 1985 a maio de 2001.

Ainda em novembro, o “Musishow” do Cirilo Reis completava 23 anos pelas ondas da Nacional. De semanal à noite, tornava-se vespertino diário, com início às 5h.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Ouvindo as ondas

MELODIA É LIDER ENTRE AS FMS
Uma pesquisa da Kantal Ibope Média encomendada pelo site Tudo Rádio revelou na segunda (9), que no penúltimo trimestre do ano (julho, agosto, setembro) a Melodia (97,5) é a líder de audiência no Rio entre as dez FMs preferidas.

A vice-líder é O Dia (100,5),em terceira posição Tupi (96,5), quarta a JB (99,9) e quinta a Mix (102,1). A Globo (98,1) é sexta; Mania (102,9) sétima; SulAmérica Paradiso (95,7) oitava; Fanática (104,5) nona; e Bandnews (90,3), décima.

GOSPEL
Avancemos nos itens que ficaram à margem. Dedicada à música gospel, ‘a rádio do povo de Deus’ tem os programas “Disk M”, “Tarde Maior” e “A Grande Parada”. Entre seus comunicadores, Edinho Lobo, Debora Lyra e Gustavo de Moraes.

ALEGRIA
Fundada em 1997 (onze anos depois daquela), O Dia tem por slogan, ‘Alegria que irradia’. Toca Música popular. Alguns programas: “Quebra Tudo” e “Só as Melhores”. Paulinho Altunian, Dedé Galvão e Kelly Jorge, principais locutores.

‘DANADA’
Com o tripé entretenimento/jornalismo/esportes, a Tupi mira no público maduro. Alterna os bordões ‘#Partiu Tupi” e ‘Danada de Boa’. Entre seus campeões estão o Antônio Carlos, o Clóvis Monteiro ,Washington Rodrigues e José Carlos Araújo.

PIONEIRA
Uma das pioneiras (surgiu em 1973), a JB mantém como slogan o ‘música e informação'. Na grade “Agenda Cultural”, “JB do Brasil” e “Couvert Artístico”. Alguns de seus locutores: Alexandre Tavares, Iseumar Pereira e José Milson.

TODA POP
“Agora o Bicho Vai Pegar”, “Rastafari” e “Toca Pro Face”; Diego Bruno, Gisele Souza e Fabricio Lopes – são destaques entre programas e locutores da Mix. Playlist pop. Bordão, `Juntos no melhor...`Na faixa da Imprensa desde 2004..

TENTATIVA
Reinventar o veiculo, uma tentativa do SGR com a Nova Globo. Do popular restou o futebol. O brilho de suas estrelas foi ofuscado pelos astros da TV, que se alinharam no musical e no entretenimento dirigido a um publico `bom de orelha.`

NOVA MANIA
O horizonte da Mania, que ficou no lugar da Cidade, é também musical. Destacam-se o “Love Samba” e “Universidade do Samba”. Marcus Marinho, Fabiano Melo e Jairo Roberto, os seus apresentadores mais conhecidos.

TEM CHARME
Embora seja dos fins de semana, “Samba Social Clube” é dos mais prestigiados da SulAmerica Paradiso. Outros cartazes: “Clássico Charme” e “Hora do Blush”. Pontificam as comunicadoras Valéria Marques, Gláucia Araújo e Kelly Muniz.

‘QUE LOUCURA’
Novata,a Fanática explora oa sucessos musicais. O marketing apregoa que ela é ‘Louca por você’. Entre os locutores, Ricardo Gama, Cláudia Jones e André Ricardo. Na programação, destacam-se “As Mais”, “Vale Night” e o “Estravasa”.

SÓ DE NOTÍCIA
Bandnews, entre as informativas, a de melhor Ibope. Programas: “Jornal da Bandnews”, “Bandnews no Meio-Dia” e “Alta Frequência”. Estrela maior, Ricardo Boechat. Brilham, ainda, Mário Dias Ferreira, Sandro Badaró e Carla Brigato.
_______

HORAFINAL.COM
O FM da Tupi, uma das pioneiras, apareceu nos primórdios dos anos 70, engrossando o patrimônio dos Diários Associados, rede da qual o AM data de 1935. Chegou a ser utilizado pela Nativa, antes de unificarem a programação.

HORAFINAL DOIS
Na sua antiga concorrente (cujo AM foi criado em 1944), a frequência moderna passou para a CBN. Há dois anos, ao devolver o canal que arrendara de emissora paulista, a Globo pegou o que pertencera à 98, inexoravelmente extinta.

HORAFINAL TRÊS
A hoje denominada Fanática já se chamou Tropical, reduto de sambistas, mas também voltada ao esporte. Revelou valores e abrigou luminares do ramo. Viveria fase distinta, com o nome de Família (evangélica) e, posteriormente, Top Rio.









sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Radiomania, o Livro/23

MÉDIAS E MODULADAS (B-9)
Da experiência inaugural de Edgard Roquette Pinto no distante 1922 aos dias atuais, o veículo conheceria vários processos de transformação. Dentre eles, a utilização do satélite pelo FM, possibilitando o sistema de rede. Assim, ficaria superado, de longe, o limite teórico dos 100 quilômetros quadrados estabelecido.

Com os novos recursos, a Transamérica saía na dianteira. Acionava em horários pré-fixados as co-irmãs de São Paulo, Brasília, Recife, Salvador e Curitiba e mais 30 emissoras espalhadas por diversos estados brasileiros. A audiência nesse novo modelo era estimada em oito milhões de ouvintes, enquanto anteriormente, nos horários de maior pique, a Transamérica-Rio, por exemplo, alcançava em média 70 mil ouvintes por minuto. A Cidade, no Rio, Bandeirantes e Metropolitana em São Paulo, aderiam.

Privatizada no governo Sarney, a Nacional FM (100,5) virava RPC – a futuramente O Dia FM. Logo depois, a Nacional ressurgiria a faixa dos 93,3 ficando no ar em pouco tempo. Em 1992, com uma programação 60 por cento sertaneja, sob o coordenação de José Messias (1928-2015) sua concessão foi transferida para um deputado (também pastor protestante), ganhando a denominação de El Shadai.

Caberia ao mesmo radialista, em 1986, a implantação da Melodia (97,5), nascida em Petrópolis, de orientação religiosa, que se mudaria para o Rio, instalando seus estúdios na Vila da Penha. Ele seria, ainda, proprietário de FMs na Região dos Lagos – a Serra e Mar, em Saquarema, e a Costa do Sol, em Araruama.
_______
MEMÓRIA-2002
A menos de duas semanas demitido da Record, – que desempregara outros da equipe, o comunicador Paulo Barboza era contratado pela América, onde estreava no final de setembro.

Âncora do “CBN Total”, um vespertino de São Paulo, Maria Lídia era, no início de outubro, dispensada pelo SGR, que alegava ‘contenção de despesas’. Adalberto Pioto, assumia o lugar.

Marcus Aurélio, apresentador do programa no Rio (de 2 às 5h) para outras redes, recebia nova missão na casa. Passava a comandar na segunda (7), o “Quintal da Globo”, às 8h da noite.

Em novembro, a poderosa empresa ‘agraciava’ seus contratados de forma inusitada. Reduzia em 30 por cento os salários de comunicadores e âncoras, e afastava os que protestavam.


sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Ouvindo as ondas

NACIONAL PERDE NO RIO
A Nacional do Rio perdeu, na nova grade que a EBC implantou em junho, substancioso espaço de sua programação. O que já fora reduzido em administrações passadas, sofreu mais cortes. É de Brasília o comando geral.

Mal parafraseando um personagem de Machado de Assis: para a Capital Federal, os brioches; para o Rio de Janeiro, as migalhas. O bordão ‘Do jeito que você gosta” cedeu, em conseqüência, lugar ao “Nacional, aqui tudo é informação.”

Pontificam atualmente em suas atrações as notícias do Planalto, complementadas por flashes regionais da Amazônia, Alto Solimões, Rio Branco e São Paulo. Pelo visto (ouvido), a tendência é tornar-se uma “Voz do Brasil” o dia inteiro.


NÍVEL BAIXO
“Doze times jogam no Brasileiro para não cair. O campeonato está nivelado por baixo”. Essas afirmações foram feitas na segunda (2) pelo repórter André Rizek, que participa do “Redação Esporte”, quadro apresentado na Nova Rádio Globo.


PODE PIORAR
Ano que vem, espremido pela Copa do Mundo, vaticinou,vai ser pior. Baseado na TV, ele troca figurinhas com Edson Mauro, que comenta as novidades do futebol no transcurso do “Café das 6”, com Fernando Ceilão e Mariliz Pereira Jorge.


O LIMITADO
Comentarista esportivo dos mais acreditados, Mário Silva assegurava naquela manhã, no “Visão de Jogo” pela MEC AM, que o time do Vasco é limitado, e depende muito de Nenê. Décimo colocado corre sério risco de rebaixamento.


SEM MOLEJO
Remanescente da (digamos) Velha Globo, David Rangel está aos sábados, das 11 às 13h com o “Sambadasso”. Seleção primorosa, mas falta molejo. O formato não seduz, não há inovação, contrariando a elaborada proposta dos cardeais.

ANUNCIADOR
Relegado à condição de mero anunciador de ótimos sambas, descreve os perfis de alguns intérpretes. Desperdício. Desconcertante um comunicador versátil só dizer “música de sicrano, com beltrano”, e, “agora, fulano canta de sua autoria...”


O VENTO BOM
Enquanto isso, o “Samba Social Clube”, da Valéria Marques, na SulAmérica Paradiso a partir de fevereiro, vai de vento em popa. Nascido na extinta MPB FM (que fechou em janeiro) é transmitido aos sábados e domingos, das 12 às 14h.


DE CAMAROTE
Nele uma grande sacada – o “Camarote”, com o Carlinhos de Jesus. O cantor e compositor Zé Luiz, da Império, tema do “TempoÊ”, documentário de Aida Barros, esteve por lá dia 30. Parceiro, entre outros, de Nei Lopes e Nelson Sargento.


UM PRIVILÉGIO
Na Tupi, desde maio em posição privilegiada entre as populares, o sábado também é dia samba. Isso ocorre quando não tem jornadas de futebol. Sambistas, preferencialmente os das escolas, batem papo com o Marcus Vinícius.


BOLA NO SAMBA
O programa em tela é “Show de Bola”, que caiu no colo do Mister Bean, quando a rádio dispensou o Eugênio Leal. Não havendo jogo, ele avança no horário que era do Luizinho Campos, obrigado, por circunstâncias, a cancelar o “Cia do Riso”.

_______
HORAFINAL.COM
Radicado em São Paulo, o jornalista Anchieta Filho estreou na Rádio Nacional esta semana. Veterano, é um novo componente na equipe de âncoras formada pela EBC, e foi entrevistado por Válter Lima, na “Revista Brasil”, segunda-feira.


HORAFINAL DOIS
Na terça, ao convocar o Adalberto Pioto no “Tarde Nacional”, Anchieta deixou, por descuido ou nervosismo, escapar isso: ‘Outro destaque que você tem a destacar’ (sic). Não é particularidade dos novatos. Acontece com os experimentados.






sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Rádiomania, o Livro/22

MÉDIAS E MODULADAS (B-8)
Na década de 70, o rádio ganharia um forte concorrente – o FM, sinônimo de som puro e estéreo. O avanço tecnológico, porém, se daria devagarinho. Segundo Fernando Veiga, diretor-superintendente do Sistema de Rádio Jornal do Brasil até meados de 1990, a modalidade viria suprir uma lacuna nas transmissões em AM. O desenvolvimento do FM, explicaria ele, começara na América e, no início, era visto com indiferença pelo empresariado.

Segundo ainda seu depoimento, a implantação da Cidade FM fora revolucionária, pois, ela descortinava o caminho do comunicador e das paradas de sucesso, com o modelo de se falar pouco. O rádio passara a ser feito por profissionais jovens, que se dedicavam inteiramente a essa faixa de público. A primeira emissora de FM no Brasil foi a Imprensa, no Rio, que adotava, no final dos aos 60, o processo de música ambiente, sem a participação de locutor. No princípio, alguns chamavam o negócio de “música de elevador”, ou “música de consultório”, serviço oferecido aos condomínios por assinatura.

O FM da JB surgiria em 1970, o da Globo em 1972 e, depois o da Tupi. Daí se registrariam uma sucessão no gênero. À Globo coubera o pioneirismo em estereofonia. Com o advento da Cidade, do Sistema JB, uma grande guinada no segmento. Isso aconteceria em 1977, quando a emissora sacudira o meio com a sua linguagem coloquial, lançando um estilo que faria escola, base do slogan criado por Eládio Sandoval, da equipe de locutores onde sobressaíam Fernando Mansur, Ivan Romero e Cléver Pereira.

Também nos anos 70, apareciam em São Paulo as novidades em FM. A primeira foi a Bandeirantes, mantendo uma programação voltada para os temas nacionais e internacionais, não explorando somente o sucesso. De acordo com Otávio Ceschi Júnior, produtor e comunicador, até de programas sertanejos se cogitava. Uma antevisão do que a 105 viria a fazer em 1991, o que lhe servira para desbancar os nove anos de liderança da 98.

MEMÓRIA-2002
Fevereiro chegava e, com ele, o carnaval. Através do seu “Comando Geral” a Globo abria, pela primeira vez, espaço para as escolas de samba de São Paulo, mobilizando comunicadores e repórteres na cobertura dos desfiles no Morumbi.

Depois de uma temporada na Tupi, Juçara Carioca voltava à Globo no comando da “Revista do Sábado”. O programa tinha saído do ar com a demissão da Ana Flores, e era reeditado a partir daquele mês, em novo formato e horário.

Em março, o rádio perdia Hélio Thys, um seus mais talentosos profissionais, escritor, roteirista de cinema e professor universitário. Criador de “A Vida é Assim”, na Tupi, ele atuaria na Globo, Mayrink Veiga e Jornal do Brasil.

Rony Magrini, um dos maiores salários do rádio, era dispensado da equipe de comunicadores da Globo paulista, ainda em março. No Rio, a empresa também dispensava o locutor, repórter e produtor Luiz Carlos Silva – o Lula --, do esporte.

A Capital de São Paulo duplicava o espaço do Paulo Lopes, em abril, avançando no horário antes ocupado por Sônia Abrão, que trocava o rádio pela TV. Ela aceitava proposta para fazer um programa na emissora do Sílvio Santos.
_______

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Ouvindo as ondas

POPULAR, O GRANDE NEGÓCIO
...E, agora, é a vez do signo de gêmeos. Eu sou um geminiano – dizia o Antônio Carlos anunciando na quarta (20), o horóscopo do seu programa na Tupi. Geminiano não suporta a rotina – respondia a astróloga Zora Yonara.

Colaboradora do apresentador, é uma dentre os que o acompanharam na mudança de emissora há cinco meses. ‘Tá’ mais do que explicado. O show que passou 30 anos na Globo, de volta à rádio onde iniciara, continua líder.

A descrição que Zora fez sobre o signo do seu patrono, desmente a linha que o programa segue. Esse argumento figura na lista de tudo que se ouve num roteiro estático, imexível. Se ela (a astróloga) refere-se aos nativos de Leão, por exemplo, automaticamente o comunicador adverte: “Leoninos atentos”.

Reunindo um time de profissionais de que a ‘outra’ se descartou, o programa conta com as participações de Juçara Carioca, Aldenora Santos, Karla de Luca e Ricardo Campello. Grande negócio popular, embora reconhecida mesmice.

E, pelo andar do metrô, dificilmente os cardeais da Rua do Russel, que abriram mão da concorrência na mesma faixa, vão reverter os índices de audiência. A propalada ‘reinvenção' custará caro. Nada fácil mudar o hábito do público.


QUEM NÃO GOSTA...
“O futebol é a minha cachaça”, afirmava Vandelerlei Luxemburgo, na véspera da partida do Sport com o Flamengo, pelo Brasileiro. A de muita gente, com certeza. A de nós outros, de forma diferente, pois nos concentramos no quesito sintonia.

Por isso mesmo, não vemos como escapar das expressões (pra lá de surradas) , um linguajar próprio, sem dúvida, dos narradores, comentaristas e repórteres de rádio. O vocabulário praticado é um verdadeiro manancial para pesquisadores.

Do interminável festival, há 'trocentos' anos carente de renovação, não faltam: ‘perdeu um gol feito’; ‘perdeu uma chance de ouro’; ‘abriu a porteira’; ‘fechou o caixão’; ‘e, o goleiro não pode fazer nada’; ‘eu vi essa bola lá dentro, cara’; etc.

Na quarta (6), quando o Flamengo – ei-lo de novo – enfrentava o Cruzeiro pela Copa do Brasil, Álvaro Oliveira Filho, na CBN, saiu-se com essa: “Jogadores que jogam preparando a jogada”. Surpreendente: ele está no rol dos melhores.

SEGUNDA VOZ OFICIAL
Uma das agradáveis exceções no rádio contemporâneo – já dissemos em outras postagens – é o “Todas as Vozes”, do Marcus Aurélio, na MEC AM, de manhã (de 7 às 10h). Na segunda (18), a jornalista Rose Esquenazi lá estava novamente.

Tinha localizado e levou ao estúdio, o Fernando César, 83, que foi sucessor de Vitório Gutemberg (1933-2004),como voz oficial do Maracanã, com aquela frase histórica: “A Suderj informa...” Eles eram contratados da Mayrink Veiga.

Gutemberg,mais antigo, passou pela emissora no tempo do Isaac Zaltman e Jair de Taumaturgo, como disc-jockey. Fernando César (na verdade Fernando Tostes), foi um dos titulares do “Grande Jornal Fluminense”, editado em Niterói.

FC tinha outra atribuição naquela rádio -- selecionar os calouros do programa “PRE-Neno”, patrocinado por uma rede de eletrodomésticos da cidade de lá. Anunciando no então “maior do mundo”, ele trabalhou no período de 1967 a 1982.

_______
HORAFINAL.COM
A brilhante Rose não disse (ou esqueceu de perguntar) um detalhe importante sobre o matinal programa de calouros que o Fernando mencionou. Quem o apresentava? O Marcus, também professor e pesquisador, ficou devendo a informação aos interessados. O “PRE-Neno” era comandado por José Messias (1928-2015), que faria carreira na Rádio Nacional, das diversas no Rio.

HORAFINAL DOIS
Em edição recente do “Todas as Vozes”, o Paulo Francisco, colaborador de “O Rádio Faz História”, assegurava que Adelzon Alves inaugurou, em 1978,a madrugada na Globo. As rádios do Rio fechavam às 11 da noite e só voltavam às 5h da manhã. Segundo Ruy Castro no livro “A Noite do Meu Bem”, naquele horário em 1954, já existia na rádio, a “Reportagem Social”, com o Ibrahim Sued.




sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Ouvindo as ondas

FM ‘DERRUBA’ SEU FUNDADOR
Uma das medidas de Fernando Ribeiro novo diretor da Roquette Pinto FM (ele substituiu Eliana Caruso que comandou a emissora durante oito anos), foi trocar o nome original da estação pelo de sua freqüência -- ’94 FM, a rádio do Rio”.
.
Arquivado o bordão “a diferença está na música”, já ocupam a grade em processo de reestruturação, entre demais novidades, “A Barca do Som”, “Pop Arte” e “Cidade do Samba”, este apresentado por João Estevam na extinta Manchete.

Não é a primeira vez que isso acontece. Em 2004, quando a rádio contratou profissionais na tentativa de competir com as populares, também passara a utilizar o recurso. Um núcleo esportivo tinha o Ricardo Mazella na liderança.


A RETOMADA
Fundada como Rádio Escola Municipal em 1934, a emissora cairia no controle do Estado da Guanabara em 1960, com a transferência da capital. Seria desativada por sete anos, devido ao roubo de seus transmissores. Normalizada em 2007.

Crítico de música e radialista, entre outras atividades, Artur da Távola (1936-2008) plantou a semente que tornaria a Roquette Pinto a melhor referência para a classe dos intelectuais e a elite do Rio, outrora (decantada) Cidade Maravilhosa.


OS PRECEDENTES
Tradicionalmente, esse requisito não se traduz em audiência. O retrospecto não oferece recomendáveis precedentes. Antes da fusão de programas do AM com o FM, que ocorreria com a perda de ouvintes, a Tupi fez a experiência no setor.

Adotara por nome o 96 FM, (do 96,5) e colocava como promocional “O Amor do Rio”, mais tarde propagado pela Nativa. A extensão desse braço no condomínio Associado teve a Antena 1 por moeda,com a devolução de uma e outra fechada.


O QUE FOI SUCESSO
Nascida Eldorado em 1971 e transformada em Eldopop dois anos depois, a 98 FM foi a rádio com nome da freqüência que maior sucesso obteve na era contemporânea. Nada menos que 20 anos. Morreria em 2014,denominada Beat.

O último suspiro, no entanto, se daria no verão do ano seguinte, nas ondas da internet. Os cardeais do Sistema Globo batizaram-na de Radiobeat, após serem obrigados apropriar-se do prefixo para servir à principal da empresa -- sua matriz.

_______
HORAFINAL.COM
Bem sucedida na utilização do modelo, esteve bastante próxima da 98, apenas a 105 FM. Durante dois anos (1989 e 1990) ela ostentava a vice-liderança no Ibope. Participavam da equipe Fernando Mansur, Mário Belizário, Robson Castro, Antônio Leal e Oduvaldo Silva, entre outros. Ao mudar de dono, virou Aleluia.

HORAFINAL DOIS
Um grande façanha conseguira a 105 FM, durante boa parte de 1991. Reunindo luminares da comunicação moderna, tirava da 98 FM sua privilegiada posição. A emissora do SGR ficara nada menos que nove anos em primeiro lugar no Rio.